.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

domingo, 9 de junho de 2013

LEVAR NA PÁ


LEVAR NA PÁ

 Para ajuizarmos sobre uma parte deveremos conhecer a outra, pelo que este  “Levar na Pá” pretenderá ser o reverso do Pá de Ouro”.
 -Confuso?
A noticia caiu que nem uma bomba na comunidade abrantina... 
Conforme declarações da remodeladora edil, alguns elementos agregados ao Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais e à Associação Nacional de Bombeiros Profissionais serão os responsáveis pelo sentimento de insegurança que durante os últimos meses vem grassando no seio da comunidade tubuca, sentindo-se a presidente da casa Joanina no direito de participar tal suspeição ao Ministério Público.
 Distante vai a ideia que este entranhado sentimento abrantino se deva a furtos em viaturas, pessoas e bens e às violentas agressões a idosos assaltados nas suas residências, que em nada assiste aos soldados da paz!
Devido à privação da informação veiculada pelos media e pelas redes sociais empanturradas de novas tecnologias, porquanto dos trinta e seis mil fregueses do concelho só uma minoria acederá a tais suportes digitais como fonte de informação, antes optando pelo orgânico passapalavra,” consequentemente desconhecendo as remodelações de bastidor promovidas pela edil em articulação com a Sociedade Civil & Lda, ressalvando o manto de incerta subjectividade que encobre o resultado dos inquéritos aos sinistros de Vale de Rãs e da Bemposta que custou a vida duma bombeira...
...e o exercício de liberdade de expressão veiculada pelo jornal “Alto Risco,” de todo conjecturariam que o sentimento de insegurança vivido no concelho de Abrantes adviesse dos soldados da paz!
-Confuso?
Certamente que neste ano a época dos incêndios se transferiu das matas para o quartel dos bombeiros de Abrantes, tendo-se propagado algumas labaredas para os estabelecimentos hoteleiros das imediações!
Consta-se que os soldados da paz têm andado num pé de guerra com duas frentes de fogo activas, devido à parceria público privada estabelecida entre o município tubuco e a Sociedade Civil & Lda, actual gestora da nóvel Associação Womanitária de Bombeiros Voluntários de Abrantes, recomendando-se a disponibilização de dois compartimentos no quartel para que os bombeiros absolutistas a mal d’amores com os liberais, possam pernoitar em camaratas separadas, enquanto a desavinda irmandade disputar causas comuns.
Pelo que se nos afigura, entre liberaisabsolutistas engolindo sapos vivos, haverão uns quantos moderados cedendo ao regime de comunhão de bens adquiridos imposto pela “Sociedade Civil & Lda,” enquanto preferindo sustentar o regime clássico que outrora subsistira no quartel-general em Abrantes, os absolutistas radicais partiram para outra!
Contudo seria proveitosa a intervenção invisível da mediadora interkultural municípal na espinhosa missão de gerir os conflitos entre as grandes minorias éticas e nas fases de rescaldo ir apagando os reacendimentos entre as partes litigantes, não se aconselhando a técnica do contra-fogo!
Segundo versão da edil, será a facção absolutista quem promove o acagaçamento dos fregueses manifestado-se notório que nela militem alguns elementos pretensiosos à filosofia dos autarcas tendencialmente acomodados ao rotineiro tacho de feijão com arroz, que tendo o arcaboiço adequado às carripanas de nove tripulantes, em curto intervalo de tempo almejavam arribar em tempo a carreiras de setenta e cinco lugares, cujos direitos e regalias tendencialmente se sobreporiam às obrigações dos liberais a quem incumbiria cozinhar, lavar a loiça e os auto-tanques, polir os capacetes, fazer as camas, afinar as agulhetas, dar sainete aos crachás, passar a ferro e varrer a parada, a troco de dois dobrões à hora...
Diz-se terem sido alguns destes funcionários públicos que a senhora presidenta dos edis mandou levar na pá e no lentisco...
...as técnicas de socorrismo e reanimação bastante úteis no âmbito das suas novas funções como sapadores-coveiros, tudo fazendo crer que os impulsos das senhoras que capricham mercadejar por terras d'além-mar sejam incompatíveis à legislação laboral vigente em território nacional e ilhas insulares...
Todavia, na presença de viaturas com estas características ou perante a evolução de soldados da paz, suspeitai que a qualquer instante possam gerar sentimentos de insegurança

8 comentários:

pato ferrão disse...

Os relatórios dos acidentes ocorridos nos bombeiros penso que eu tem de ser diferenciados.

Acidente que vitimou mortalmente a bombeira Paulina Pereira. está nas mãos dos tribunais e a nível interno não se fez nem faz nada.

Acidente do Vale de Rãs esse é outra questão o condutor em questão (Lacaio do Srº COM)foi provado pelo código de condução a sua culpa no acidente.
A nível interno nunca lhe irá acontecer nada porque ele próprio dizia alto e bom som que o COM era padrinho dele e se responsabilizava pelo (Lacaio)e é fácil de acreditar o(Lacaio) tirou a habilitação para conduzir veículos de categoria C, veículos pesados nessa altura e pouco depois de ter tido esse acidente começou a conduzir veículos pesados dos bombeiros, em vez de ser penalizado foi promovido.
E esta hem........

O Cidadão abt disse...



Caro Pato Ferrão.

Em primeiro lugar seja bem-vindo a esta xafarica;

Ambos os sinistros poderão ser diferenciados mas têm um ponto em comum.
O comandante.

E qual será a utilidade dum comandante?

Baseado na cadeia hierárquica militar, um comandante de corporação de bombeiros servirá para zelar, supervisionar, regular, prevenir, gerir, orientar, responsabilizar-se e fundamentalmente responder pelos actos dos seus subordinados em exercício de funções.

Um comandante nunca poderá ser anarquista nem tão indigente que não saiba instaurar processos disciplinares àqueles que transvasem nas suas funções ou que nelas usem práticas que ponham em risco os equipamentos, as pessoas e os bens alheios.

Quando um comandante de bombeiros municipais envia o curriculum de um subordinado para o seu gestor hierárquico com poderes executivos, no caso, a presidente da câmara, parte-se do princípio que acreditará no parecer positivo do mesmo, salvo seja se conhecer o curriculum do visado, ao que no caso do acidente de Vale de Rãs registado a 16 /2/2012 a anarquia terá suplantado a hierarquia reclamada pelo comandante desconhecedor que em democracia o modelo hierárquico suplanta as amizades e contempla a responsabilização da chefia que em ambos os sinistros parece esquivar-se por entre os pingos de chuva...

Há muito se percebeu que neste sistema administrativo, o poder do apadrinhamento se tem sobreposto às normas da cadeia hierárquica, servindo a segunda como poder executivo do primeiro.

Quanto ao facto do condutor recém -encartado em pesados de mercadorias ter espatifado um bem do Estado que é sustentado pelos contribuintes, terá o comandante entendido ser uma mais-valia em aquisição de experiência... razão para que mandando a hierarquia às urtigas, este tivesse sido promovido, naturalmente que com a subscrição da Exma. Presidente da Câmara!

No caso do autotanque que se espatifou a caminho da Bemposta a 21/7/2012, manda o bom senso do comandante e seus superiores administrativos que se deixe o caso escorrer no retardador dos inquéritos judiciais e nas disposições processuais, aguardando por uma hipotética prescrição ou amnistia não vão eles premeditar alguma decisão que possa comprometer a sua estabilidade profissional...

De entre todos, o canal de comunicação que esta gente tem maior dificuldade em controlar será precisamente a Web!

Artur disse...


Os bens pagos pelo povo não podem ser negligenciados por quem deles faça uso ou por quem deles tenha guarda.

No caso dos sinistros com os veículos dos bombeiros, os superiores hierárquicos devem ser os primeiros a chegar-se à frente no apuramento e atribuição de responsabilidades e pelo que se depreende, em torno desses casos haverão tentativas supostamente hierárquicas da culpa morrer solteira.

pato ferrão disse...

Será que se fosse algum dos tais mal amados profissionais (coveiros) que estivessem envolvidos nos acidentes seria assim também difícil aparecerem os relatórios.
??????????????

O Cidadão abt disse...

Pato Ferrão!

Mas que grande confusão!

Do lentisco manobrador ao sapador-coveiro o cidadão equivocado se achava, que dos fatídicos rodoviários, em severas penas cuidasse.

Se fossem os "mal amados" naturalmente que os enterravam ao invés de os mandar enterrar...

Certo?



O Cidadão abt disse...

Artur:

Geralmente nas hierarquias militares ou de inspiração militarizada cabe aos comandantes assumir a responsabilidade pelos seus subordinados e caso assim não fosse, os primeiros não teriam razão de existir na organização!

A dificuldade em se apurar responsabilidades é típica de uma cadeia hierárquica viciada, típica dos países terceiro-mundistas cujo conceito de democracia sendo mal assimilado ou relativizado se torna incompatível com as cadeias de comando, instalado-se um regime de anarco-compadrio onde os pseudo inquéritos executam manobras de diversão retardando a publicação de resultados caucionando a transparência das partes envolvidas.

A adversidade acentua-se quando os valores abordados são comparticipados por impostos e outras contribuições dos cidadãos, transpondo os organogramas internos!

pato ferrão disse...

Uma curiosidade!
O que vai acontecer com os dois veículos estampados também terão sido ou serão cedidos por comodato á AHBVA.
Será que vão ser reparados ou não?
Se forem quem vai pagar a reparação a CMA (contribuintes) ou AHBVA (a dita sociedade civil) é que os veículos foram estampados por pseudo bombeiros voluntários (2€ á hora) que se encontravam nos ainda BMA mas que agora pertencem á AHBVA.
E esta hem.....

O Cidadão abt disse...

Pato Ferrão:


Se os bombeiros passaram para os quadros da Associação Humanitária dos Bombeiros de Abrantes é porque devem ser altamente competentes nas suas funções...

Ou o inverso para aqueles que têm a incumbência de recrutar o pessoal, caucionado-se a partir do momento em que os pseudo resultados dos inquéritos possam eventualmente atribuir responsabilidades aos condutores acreditados pelos recrutadores.

Resta saber se a Sociedade Civil & Lda terá recebido o activo e o passivo...

Estas dúvidas devem fazer parte da transparência que pautua o processo de transição.

Pelo que a autarquia deu a perceber, a nova associação será comparticipada com uma verba dos cidadãos contribuintes que é capaz de ser suficiente para mandar reparar os danos causados nas viaturas...

Mas pelo que se pressupõe, primeiro terão que ser apuradas as responsabilidades pelos danos e as seguradoras das partes envolvidas, se as houver, terão que se chegar à frente.

Como é de seu timbre, compete também às seguradoras tentarem sacudir a água do seu capote e aí entrará a questão da legalidade do exercício de funções dos bombeiros como condutores dessas viaturas...
Ou se aquilo seriam uns levianos:

-"Toma lá a chave ò vait'embora" e faz-te à estrada!

O sinistro que causou a vitima mortal é que irá dar água pelas barbas... com poucas probabilidades de branqueamento mas como é sabido, as disposições processuais e os inquéritos levam seu tempo...