.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

sábado, 22 de novembro de 2008

A CISMA


A CISMA
Um Cisma ocorreu entre 1378 e 1417 devido á ruptura no seio do cristianismo, com motivações de ordem política, e não teológica, dando origem ao Grande Cisma do Ocidente. Também, por volta de 1054, surgiu uma corrente teológica, resultante da fusão das igrejas Católica e Ortodoxa que se designou pelo Cisma do Oriente. Martinho Lutero,” Martin Luther”, Alemão de nome e origem, (há coincidências… não há?), irrequieto como ele era, criou a corrente “Císmica” dos Protestantes Luteranos… e assim por aí adiante… mas não era sobre estes Cismas que, cá o Cidadão se pretendia debruçar… era mais sobre os da magnitude! Os Mércális e os Ritchers fictícios! A cisma em causa decreta-se, estipula-se, tem a data e a hora marcadas, a região e os locais onde a coisa se irá dar. Mete-se na cabeça das pessoas, alojando-se no hipotálamo da comunicação social! Mobilizam-se meios… logística quanto baste. Viaturas, helicópteros, navios, Forças Armadas, Bombeiros, Protecção Civil… Inemes, Guardas Republicanas, Policia de Segurança Pública, tudo se mexe, tudo se movimenta de cá para lá e de lá para cá… no total, cerca de quatro mil quinhentas e cinquenta pessoas a encafifarem, matutando sobre o simulacro encasquetando, inquietando-se, planeando e cogitando a respeito do abalo! Invadem-se quintais descendo de kamov's, dando-se cabo das frutas e das hortas ás mulherzinhas…Mobilizam-se as populações, improvisam-se mortos e feridos, condiciona -e a rotina dos cidadãos, interrompe-se o trânsito, desperdiça-se tempo essencial, chega-se atrasado aos compromissos por causa do abano! Cá o Cidadão também cisma… cisma com os euros que acabou de depositar na repartição de finanças, esforçadamente, diga-se de passagem, parte deles para alimentarem as cismas! Porque, de cada vez que cumpre os seus deveres de contribuinte… também leva um abanão, com diversas réplicas! Portanto, cá o Cidadão, orgulhoso, é um figurante da cisma! Pois! Neste fim-de-semana ficamos todos a cismar!

7 comentários:

Rosa Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Marques disse...

Cismas políticos ,cismas relógios,cismas fraudulentos,cismas de valores,....e...o povo tem que gerir os cismas da carteira,daí resultantes.
É irónico!!!

Permita-me que lhe diga que este tema está
interessante e muito actual.

Um abraço.
Maria

Cidadão abt disse...

Num sismo, não seriamos com certeza figurantes, mas sim vítimas! Mas como, na realidade, se trata de uma encenação sobre um hipotético sismo, então, não passamos de meros figurantes, mesmo como contribuintes dos trocos, porque as despesas que estas cismas acarretam, não serão, decerto, suportadas pelo Banco de Portugal!

Anónimo disse...

Vendo bem a coisa, na realidade, somos igualmente vítimas, mesmo, no caso, sendo a cisma dum sismo| Nús é que ardemos!

Artur ;)

Anónimo disse...

E as cismas ainda fazem mais vítimas!Logo começando pelos próprios cismantes e cruzando o silêncio dos lares... só este ano, desde 1 de Janeiro até ao presente, as cismas já fizeram 43 vítimas em violência doméstica! São as amarras culturais de um povo à beira-mar plantado !!!

Rosa Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Marques disse...

Cismas e mais cismas!

Cismas irónicas? Claro que não existem,essencialmente quando essas cismas são fundamentas em vivências dolorosas,quando nos confrontamos com a fragilidade da vida ,independentemente do credo,raça ou idade .
Não são irónicas quando resultam do contacto com a miséria (gente impotente perante a fome dos filhos,gente sem lar,
meninos da rua ,meninos violados e forçados a matar,velhinhos maltratados pelos próprios filhos,famílias desfeitas pela violência...
Quem poderá mudar esta realidade? Serão os políticos corruptos e fraudulentos? Serão as religiões rodeadas de fausto e cinismo?
Sim,é dever do homem cismar ! Poderá alguém ser feliz com tais cismas?
Maria