.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

sábado, 6 de dezembro de 2008

O PLANETA CHISÉLLE




O PLANETA CHISÉLLE
Lá adiante, numa galáxia distante, existiam alguns planetas com vida própria, dominados por seres humanóides sob a resplandecente luz da estrela REM… num desses planetas, o Chisélle, um timoneiro dirigia os seus destinos…e esse timoneiro, eleito em sufrágio universal pelos seres humanóides era  “El Comandante”. Coisas fantásticas e mirabolantes se passavam em Chisélle!   Como responsável máximo pelos desígnios do seu planeta, "El Comandante" pensava e projectava sempre em parâmetros de chichichizélle! Por acaso, nesse planeta, também habitava uma coloniazita de outros seres, mais pequenininhos, amarelinhos, de olho em bico, muito laboriosos, metódicos e poupadinhos, vindos de outro astro distante, que diziam ser o Império do Sol Nascente, mas não do planeta Lorosae… eram mais a Norte neste sistema REM… os tipos traziam sempre um livrito encaixado na axila, ou embutido num bolso da bata, ou religiosamente guardado numa gaveta da secretária, cujo título rezava assim: “ O Código do Samurai” de Daidoji Yuzan - um código guerreiro que constitui um guia de vida… estes, vestiam Kimonos “ésses”, pensavam “émme” e trabalhavam “chichichisélle”.
Então, o que é que a pequenita colónia do planeta Samurai veio fazer para o planeta Chisélle? Ah! Trazer a indústria e fabrico de naves espaciais de transporte de cargas! Em consequência, também o emprego e a estabilidade económica para centenas de famílias chisellenses e de planetas limítrofes, melhorando a sua qualidade de vida, com benesses e progresso para todo o comércio gravitacional! Até que um dia, pois, porque todas as histórias têm um dia, o “El Comandante” de Chisélle resolveu adquirir um território equivalente a 12 parcos campos de futebol pela módica quantia de 270 mil níqueis, moeda em vigor nesse fantástico planeta, níqueis estes, proporcionados a um pequenino e felizardo latifundiário, dirigindo-se, á posteriori, todo lampeiro, com tais campos de futebol virtualmente encaixados debaixo do braço, imitando os laboriosos samurais, dizendo-lhes, mais ou menos, a modos que assim:
-Tomai aqui oito campos de futebol, todos juntinhos, para que vós possais expandir vossos fantásticos hangares, visto quererdes aumentar para três vezes mais, a produção de vossas soberbas naves espaciais, que desta feita, serão concerteza, híbridas, por troca da módica quantia de 26 mil simbólicos níqueis!
Supunha “El Comandante”, que os colonos samurais ficariam com os olhos em bico, face a tão aliciante proposta da oferta de território “chichichizélle” por uma quantia de “esses” níqueis! Mas como eles já tinham os olhos assim desde a nascença, não se embeiçaram com o doce, e, vestindo “ésses” e pensando “émme”, astutos samurais que eram, logo tiveram a seguinte visão para o caso: ”Hum… quando a esmola é grande… até o pobre desconfia”… e foi mais ou menos assim que responderam a tão cobiçosa oferta:
“ -Nóis num plecisále tantu campum de futlebóili, pâlâ esspândile a noxa pluduçôm de naives! Tâmus a labolail com um tulno, e passamus a labolail com tlês tulnos nus mêmus angáles! É simples! Ih! Ih! Ih! Ih!
Se plecisálmos, selá xó um campito pala uss opelálios de Chisélle apoltalem suas naives com dignidade! Ih! Ih! Ih!”
Ih! Ih! Ih! O caraças! Terá pensado “El Comandante” com o tiro saído pela culatra!
Ah! Mas em Chisélle também haviam os maus! Eram uma seita dos diabos que tinha um radar! E designavam-se por os “Ópus-Ição”! E não é que os “Ópus-Ição” detectaram atempadamente estes movimentos estranhos e esquisitos no espaço sideral de Chisélle? E quais Robin dos Bosques em socorro dos habitantes deste planeta, deram o alerta, tocaram os sinos, soaram os alarmes, grasnaram os gansos e “El Comandante” a modos que arrepiou caminho!? Entretanto os assíduos leitores cá da xafarica do Cidadão, se forem uns tipos (e tipas) espertos, atentos e finos, já devem estar a magicar no seguinte:
- Mas onde é que o “El Comandante” teria ido desencantar os parcos 270 mil níqueis para despejar assim em oito campos de futebol todos seguidinhos, como quem não quer a coisa??
Então cá vai! É que em Chisélle, não havia uma fábrica de chocolates, mas sim um maquinão que fabricava bué da níqueis… o Niquelândio! E, os meus curiosos ciberleitores, fazem ideia de qual seria o princípio de funcionamento deste aparelho? Em primeiro lugar, era muita feiiio… parecia mesmo um monstro! Não! Ainda mais feio que o monstro das bolachas… e tinha dois buracos muito graaandes! Num, enfiava-se a matéria-prima á força toda! E pelo outro saía, já bem cozinhado, tipo microondas, o níquel todo reluzente, que era posteriormente encaminhado para cenas esquisitas como o raio!
Ah! Vocês querem saber qual era a matéria-prima que se introduzia na primeira bocarra do monstro??? São mesmo chatos pá! Querem saber tudo! Então, cá vai o segredo… bom…. Também eram níqueis! Molhadas de níqueis de Pagamentos Especiais por Conta, montes de níqueis de IRCs, magotes de níqueis de IRSs, blocos de níqueis de Contribuições Autárquicas, tijolos de níqueis de IVAs, covetes de níqueis de taxas e tarifas de águas e saneamentos, eram penosamente arrastados e introduzidos na bocarra do monstro Niquelândio, pelos estafados, conformados e automatizados habitantes de Chisélle, que comiam e calavam! Coisa parecida, só mesmo a quantidade de calyptrus que era necessária para alimentar uma caldeirada de produção de pasta de papyrus! E o que seriam os calyptrus? Era uma espécie de árvore que existia em partes do planeta e tchupava a água toda do solo, desertificando os campos de futebol! Nas galhas desses calyptrus só morava um bicho orelhudo… o Koala! Embora as suas folhas oblongas fossem óptimas para aliviar problemas respiratórios e revigorantes em longas caminhadas!
TIP… TIP… TIP… TIP…
-Ò ruído de uma nave espacial… deve ser a nave mãe que vai hipertransportar o Cidadão deste planeta para o dele…
TIP… TIP… TIP… TIP…
-Mas onde é que está… não se vê?
TIP… TIP… TIP… TIP… TIP… TIP… TIP… TIP…TIP… TIP… TIP… TIP…
-Chatice… cá o Cidadão farta-se de olhar para o ar e não vislumbra a Intergaláctica! Que dôr de pescoço… Que tormenta!
TIP… TIP… TIP… TIP…
-Acorda! Não ouves o raio do despertador a tocar?
-Âh? Nhãmmm,,, Nhãmmm,,, ummm…o que foi! Companheira? O quê, já são horas?
-Pois, pois, aí o despertador aos berros e tu, ferrado… a dormir?!
-Olha… sabes… Ainda bem que me acordaste… tive um sonho muito esquisito… era assim mais… tipo… um pesadelo!
-O quê… não me digas que foi com mulheres…
-Não, Companheira, antes fosse… mas foi com naves, galáxias, extraterrestres e cenas assim…
-Bom, bom… vê lá no que te metes…
-Nem a dormir… catano!!
Exclamou cá o Cidadão, sentado na cama, bocejando e espreguiçando-se, ainda pró estremunhado.
-O quê?! O que disseste agora?
-Nada, nada…
-Hum…

13 comentários:

Anónimo disse...

“I Have a Dream”!
Esse planeta XL tem coisas fantásticas e caricatas!
Nele se revela um choque de culturas e mentalidades interplanetárias!
Quanto ao monstro, porque não se chamar Niquelão? Foi a questão pertinente colocada pelo meu puto, que seguiu a leitura deste artigo até ao final, coisa rara nele!
Isto é pura ficção científica ou baseia-se em alguns factos reais aí da sua região?
Fiquei completamente baralhado e continuo a admirar as suas capacidades de criatividade e recurso, associadas a um bom espírito, nestes tempos cinzentos, chuvosos, carregados de electricidades estáticas e de energias negativas.
Artur :)

Anónimo disse...

Não é que o Cidadão anda a pensar em Ovnis desde miudo?!Conheço-o há muito, muito tempo, ainda ele andava pelas rotas do Luís Vaz de Camões. Tive a felicidade de conhecer uma Cidadã das Terras Frias com a qual me propus fazer uma caminhada.Já lá vão 30 anos e alguns meses. Precisamente nessa data tive o prazer de oferecer ao "petit" cidadão ABT uma obra sobre os seres que aparecem e desaparecem muitas vezes sem deixar rasto.
Hoje, já o Cidadão é XXXXXXLLLLL e vem-me com esta dos amarelinhos, dos campos de futebol dos níqueis etc,etc.etc.. Bem o entendo caro Cidadão. Lembra-se da tal árvore que deve continuar a agitar? Só assim é que a bicharada cairá. Mas não se esqueça que a dita Opus-Ição tem um papel muito importante, dado o sistema político a que os Comandantes votaram o Planeta Chiselle.
Por agora é tudo.
Um abração do Sal.

Maria Marques disse...

Ora!Que pena a companheira ter interrompido esse sonho!
Já imaginou que interessantes e variadíssimos encontros de 3º grau poderia ter? Poderia encontrar seres de tal maneira especiais, que de repente iluminassem as mentes humanas e assim teríamos um mundo melhor.
Mais um texto muito abrangente e interessante que o cidadãoabt nos oferece!
Parabéns.
Maria

Cidadão abt disse...

Caro e atento Artur, em vez de planeta XL, escreva, antes, Chisélle, ou Chizélle, conforme preferir, senão, desvirtua-me o sonho!
Ah! O puto aí de casa também tem opinião?! Olhem lá o pirralho! E gostou do texto? Isso é fixe! Porque o monstro não se há-de chamar Niquelão? Porque, Niquelão é assim como vidrão, papelão ou pilhão, tudo cenas bacanas onde se metem resíduos que serão completamente reciclados e posteriormente, bem reaproveitados pelos respectivos habitantes! No caso do monstro do sonho p'ró pesadelo, a matéria prima nele introduzida seria, à posteriori, esbanjada em megalomanias sem utilidade prática para a maioria dos habitantes de Chisélle... assim tipo Disneylândia, logo o nome do bicho teria que ser qualquer coisa parecida com "Amândio", de "Amândio Cajente Gástio"...não sei se conhece... daí, se designar por Niquelândio!
Questiona cá ao Cidadão se isto é pura ficção científica ou se é baseado em factos?! Que pergunta mais estranha!Então, não sabe, o amigo Artur, que nos dias que correm, com as dificuldades que o País(leia-se, o povo)atravessa, e nos atingem a todos no dia a dia,(salvo aos gestores bancários e a outros semelhantes afinidados), coisas destas seriam impensáveis?? E qual o "El Comandante" que esbanjaria assim, os niqueis dos seus habitantes, depois desses lhe terem confiado o destino da sua matéria prima?È fácil de ver que só sucederia num sonho mau, mesmo muito mau!
E agora vamos à sua introdução triunfal na caixita dos pirolitos cá do Cidadão:
...“I Have a Dream”!...
Leva cá o dito até António Gedeão... e reza assim:


«Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.»


Ora bem, sendo o amigo provido de alguma cultura, já concluiu que este poema é mesmo a "Pedra Filosofal"!
Se reparar, no último trecho, á laia de justificação, diz
..."que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança".
Só que no sonho do planeta Chisélle, a pedra era artificial e não folosofal, daí que,

"o mundo pulava e recuava
como bola negra
entre os pés de uma criança"

Cidadão abt disse...

O amigo das terras de Sal realmente conhece o Cidadão, não para trinta, mas para trinta e seis anos e mais uns pózes!Como vê ainda deu jeito "estudar ovniologia" para melhor interpretar algumas fases REM mais pesadas, que de outro modo não teriam explicação!Num minuto,cá o Cidadão deslocou-se á sua biblioteca e sacou do tal livro que tem aqui à mão e na sua capa reza assim:
"OS ESTRANHOS CASOS DOS OVNI" de Henry Durrant, Livraria Bertrand... apesar de ter a lombada um pouco avariada e umas folhas soltas pelo meio, continua muito actual, logo ao começar pelo título! Dentro, tem uma data, 9/9/78, seguida de uma mítica localidade e de uma assinatura bem Salgada! Ah!Agora o Cidadão já alcançou a cena dos trinta!
Quanto a essa referência á Ópus-Ição, não tenha a menor dúvida que o Cidadão está plenamente de acordo com as suas funções fundamentais, mesmo que noutras galáxias e planetas distantes como em Chisélle, por exemplo!

Anónimo disse...

Mais um post bastante alusivo, forte e enriquecido de metáfora, que muito me divertiu. Esse planeta Chisélle... Chisélle, quererá significar tamanho, dimensão, ou do francês "chez elle", significará "com ela ferrada(bezana)" ou,por seu turno, "com ela, mulher"? De resto esses pós de latinamérica estão interessantes, dentro do contexto!Imaginação e criatividade não lhe faltam!Você acabou por brincar comigo até ao fim com essa do REM... mas está bem pensada, sim senhores.
Um Prof. das matérias.

Cidadão abt disse...

O planeta Chisélle será abrangente? Quantos cabem dentro de Chisélle? O que significará Chisélle? Será a dimensão? Estar com ela? To be or not to be, that's the question!
Olhe, fica ao critério e ao alcance da experiência de vida, da visão, da ginástica mental e do Q.I. de cada ciberleitor!Que é rico de conteúdo, lá isso é. Passou um agradável bocado com a interpretação deste post, não é verdade? Demais, como cá o Cidadão se propõe, estamos aqui para as curvas bem pensadas... não sobra é tempo para postagens com maior frequência!Mas vai-se agitando a árvore, como observa outro comentador.

pedro oliveira disse...

Possível guia de leitura:
PLANETA CHISÉLLE - Abrantes
“El Comandante” - Presidente democraticamente eleito da Câmara Municipal de Abrantes
planeta Samurai - Japão
Trazer a indústria e fabrico de naves espaciais de transporte de cargas - alusão à Mitsubishi (há muito tempo que existia indústria automóvel em Tramagal).
Blá, blá, blá dos terrenos para estacionamento e tal que continuo a achar que é uma história mal contada.
Foi efectuada escritura e os terrenos já estão registados na Conservatória do Registo Predial em nome da Câmara Municipal de Abrantes?
Foi efectuado algum acordo/negócio de cedência/utilização/venda desses terrenos à Mitsubishi?
Quais os termos desse acordo/negócio?
Quanto ao resto o texto está muito bem elaborado e com bastante imaginação.
Não deixa de ser curioso que para além do «blog» Pico do Zêzere, existam outros três «blogs» de «anónimos»:
1. O Cidadão ABT
2. Zé da Cachoeira
3. Taki-Talem
que com um estilo semelhante debatem as mesmas temáticas.
Como se Fernando Pessoa tivesse encarnado no Norte do Concelho de Abrantes.

Rosa Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cidadão abt disse...

Ena pá! Caro Pedro Oliveira! Cá o Cidadão ainda não tinha pensado nisso!
Andava intrigado com o raio do sonho... mas é capaz de ter a sua lógica! Como é que chegou a essa conclusão? É que isto dos sonhos, vão rebuscar os recalcamentos existentes no subconsciente!Pois é! Será que o "pessoal" também tem sonhos assim esquisitos ou isto é um caso raro? Cá o Cidadão vai já consultar Sigmund Freud e Pierre Daco!

Rosa Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Você, a dormir ainda vai tendo sonhos desses, mas, em Abrantes, anda tudo a dormir, e sem sonhos, vai para muitos anos. Ao chegar as autárquicas, votam invariavelmente nos mesmos. Por falta de imaginação, falta de coragem de mudar, ou então por servilismo e dependência. Somos todos uns carneirinhos bem mandados!

Cidadão abt disse...

Anda tudo tudo a dormir? Também não será bem assim... ainda há alguns acordados, senão repare na blogosfera regional e seus comentadores...contudo dá a impressão que os comentadores são poucos, contrastando com outras regiões...em que chovem nas caixas de comentários! Receosos? Do quê? E com o quê? Por cá,por enquanto,tem-se votado nas siglas e não nas pessoas!Essa dos carneirinhos deu uma luzinha ao Cidadão, para um próximo post!
Obrigado, ó anónimo!