.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

PRINCÍPIUM ACTIVUS



PRINCÍPIUM ACTIVUS

Deambulava cá o Cidadão pelas ruelas de Abrantes, caminhando apenas sobre os espaços em branco dos desenhos da calçada, sim, porque é uma obsessão que o persegue desde tirrazinho, de quando caminha, escolher só os desenhos de determinada cor ou feitio, coisa que na capital é uma riqueza praticá-lo, isto quando não lhe dá nas ganas de acompanhar a passada, bamboleando paralelamente os braços, suspensos ao longo do corpo! Isto será grave? Mas bom… bom… adiante… em falta de consola, ia cá o rapaz entretido neste jogo, quando no passeio do outro lado, alguém lhe gritou esta cena:

“-Ó Cidadão, olhe que o “Amar” anda a plagiá-lo!”

Ena, c’um caneco!


Às primeiras impressões, cá o rapaz até não achou grave, aquela exclamação em alta voz, trespassando a rua de lés a lés, mas depois é que se lembrou ser esse, o nik-name do Blogue, e, naquelas circunstâncias não daria muito jeito citá-lo em alto som!

Olhou em redor detectando aqueles rostos sorridentes e marotos daqueles que assistiram ao episódio, como se cá o rapaz fosse um tipo muito popular pela urbe!

Era inevitável intervir… retorquindo baixinho:

-Oh! Pá! Você está dôdo ou faz-se? Fale baixo, caraças!

A partir daqui, aceleraram-se as pulsações cá ao cota e, galgando terreno, lá se fez ao monitor do computador mais próximo! Aquilo estava pró cinzentão, deu-lhe duas lambadas e o tipo não reagia, foi quando se lembrou que tinha de ligar o botão na torre do PC!

Entrou no sistema, abriu a Net, foi ao blogue do Amar e… tumba, não é que viu logo Belém por um catódico!? Depois de visionado o texto que se intitulava “INFORMAÇÃO E TAXAS” concluiu que a lábia era a mesma do Cidadão, mas despejada com uma estilo de escrita very nice, bastante formal, assim tipos… fatigravata!

Foi quando que se deitou a pensar o modo como deveria pegar com o autor… Reflectindo profundamente sobre o assunto, chegou á conclusão que este sentimento de violação do porta nikas, era comum á população do concelho de Abrantes, portanto, seriam uns largos milhares de peoples em uníssono, plagiando cá o rapaz… daí, a coisa cairia por terra! Acordou desta letargia e do frio nos calcantes, quando descobriu uma pontinha á espreita.

Ora bem, como cá o Cidadão não se propõe concorrer á edilidade, não se lhe afigurava arranjar a solução para o problema das tarifas, mas sim, limitar-se a manifestar veementemente o seu desagrado e se possível reclamar perante os factos… foi precisamente neste ponto que sentiu o plágio! È que, no tal artigo, também não se vislumbra proposta ou solução para erradicar a maleita das aquíferas tarifas Abrantinas! Bom, isto, nem neste amante blogue… nem em blogues populares! Só mesmo… o blá, blá do costume!

Em suma, tal como o síndrome da feu-rouge que desde o século passado se vem instalando nas vias de comunicação do agádoisó, também as Ópus- Ições não apresentam o erradicante antídoto para a peste do málus tarifárium que seca as entranhas das nossas carteiras!

Dissertando de maleitas… em maleitas, existem curas medicamentosas para quase todas elas, baseadas em determinados princípios activos! Princípios estes, enclausurados em cápsulas, comprimidos, injectáveis ou até em xaropadas á maneira!

Encontram-se na natureza os princípios equivalentes… desde os mais remotos tempos, os povos vêm lutando contra as suas maleitas, recorrendo ao que a natureza lhes proporciona. Por exemplo, já naquela irredutível aldeia Gaulesa existia um druida barbudo, o Panoramix, que se aventurava pelos bosques e florestas tenebrosas, infestados de javalis, em busca do miraculoso Zimbro, erva com que confeccionava caldeiradas de poção mágica para que os seus habitantes a ingerissem, afim de darem cabo do couro aos Romanos e a outro piratame afim!

Daí, a força do Obelix e respectiva seita!


Hoje em dia, pelas bandas dos montes Hermínios também se faz uma poção com o tal Zimbro, que leva uma bôa percentagem de ervinhas, sendo seu princípio activo o etanol… Em certa ocasião, cá o Cidadão teve a oportunidade de butir d’uma assentada só, uns belos golaços de “Zimbromel” oriundo de uma garrafinha empalhada, esperançado em conquistar extraordinárias forças…


Ahhhh!!! Por Toutátis!!!

Decorridos uns belos minutos … acabou zonzo!... Ainda hoje não sabe bem porquê… e quanto ás tais forças… não passaram de ordinárias, ao ponto de este, cambalear sem destino ou direcção e, subitamente, tombar para trás que nem uma estátua de granito! Não se lembrou de mais coisa alguma, e quem acabou por beneficiar com o negócio foi mesmo a Companheira e os Júniores que deixaram de aturar as nóias cá do rapaz por uma boa temporada!!! …

Ah! Na verdade, cá o Cidadão também beneficiou com a cena, pois quando deu conta de si, estava cercado de umas paredes brancas, ouvindo um melancólico pi..., pi…, pi…. Alvas eram igualmente… as batas de duas belas moças, uma loura e outra morena, que se debruçavam suavemente sobre este rapaz, esboçando sorrisos angélicos…e não só!!! Vejam lá, que na altura até pensou…

“…finalmente… cheguei ao Céu! …”

Mas não! Estava sim, prostrado na cama do hospital com uma garrafa de soro ás avessas, de canudo espetado na veia, e duas belas enfermeiras ou médicas… sabe-se lá agora, nem isso interessa pr’ó caso!

Coisas do arco-da-velha!!!


Ainda na Lusitânia, em certa ocasião cá o Cidadão e sua equipe de caminheiros, palmilhavam as altas cordilheiras Douradas dos Montes Hermínios, cruzando o Malhão, e a Santinha, descendo á Cova do Pavão, para reposição de líquidos, recuperando altura rumo á ermidinha de São Marçal, avistando o bosque do Curral do Negro e o Bico do Côvo cada vez lá mais para baixo, escalando á capela de São Tiago, já com terras de Virgílio Ferreira visíveis pelas nove horas… lá bem ao fundo das escarpas, admirando os girinos da Fonte dos Ferreiros, dando na Cabeça do Faraó…com a cidade da Guarda a espreitar muito ao longe… descendo pela Calçada dos Galhardos, transpondo viveiros florestais e entrando na linda aldeia de Folgosinho… Enquanto o pessoal estafado de vinte e pouquinhos quilómetros sofridos, se refrescava nas fontes encimadas de azulejos decorados com pensamentos e poemas amorosos brotando água gélida e cristalina, e os aldeões idosos sentados á sombra de frondosa árvore junto ao coreto, seguiam atentamente os movimentos destes malucos dos trilhos, cá o rapaz, depois de arreada a mochila de mantimentos, com seu lencinho ao pescoço e respectivo chapéu de pano atirado para as costas, porque há princípios que não abdica, apesar de irradiar a contagiante boa disposição de espírito, imagem que o caracteriza nestas aventuras… como o descobrir-se debaixo de tecto alheio, sinal de respeito para com os anfitriões, coisa que esta malta nova parece ignorar por completo, tal como o respeito pelas tradições das regiões por onde se passa, imagem que cultiva nestas aventuras…

Bom… adiante! Junto com a amigalhaça Companheira, desceu as escadinhas de uma típica loja de artesanato dando com uma menina assim p’ró reboleco atrás de um balcão de madeira no seu penumbroso interior, que seguia esta tropa com uns olhinhos escuros, vivinhos e atentos… de ratita marota!

“…Humm… tenho que arranjar pr’áqui um argumento qualquer… deixando um rasto de bôa disposição nesta lojinha tão típica e engraçada…”

E se o Cidadão magicou, melhor o fez…

Reparando bem nas prateleiras em madeira, conferiu que estas tinham cravado no seu topo, os nomes das figuras representadas pelos bonequinhos de barro que as encimavam…

“Viriato…e sua companheira”… Por cima, uns bonequinhos representando a figura de um homem barbudo indumentado á época… e ao lado destes, outros, representando um guerreiro da tribo… mais adiante…. Na mesma prateleira corrida, a etiqueta “Sertório”… encimada por umas bonequinhas de barro em trajes tradicionais…

Olááá!!! Aqui há gato…

Cá o Cidadão, encenando um ar sério, grave e pensativo, de polegar e indicador da mão esquerda segurando o queixo… invocou a menina do balcão…

-Pssst, psst… olhe, chegue lá aqui… se faz favor…

E a raparigoila, intrigada com a encenação, saiu detrás do balcão… (ao que se proporcionou a oportunidade de admirar a beldade de moça), dirigindo-se cá ao rapaz… insinuou naquela vozinha singela… fininha e melodiosa, com uns lindos olhitos de azeitona, bastante arregalados!

-Diga, lá! Senhor…

Aqui o Cidadão pensou… “Senhor?! Mas o Senhor está no Céu!” Seguidamente, observou á menininha:

-Afinal… o Viriato era desses?

-Desses?!... De quais?

Indagou a donzela com uma respiração ofegante, perante o ar sinistro cá do Cidadão, enquanto a Companheira se chegava para trás, segurando o nariz, num enorme esforço para não se desatar a rir…

-Daqueles… sabe… assim… virados… p’ró…

Nesta altura cá o rapaz simulou delicadamente um gesto basquetebolante e repetitivo!

A menina, coitadinha, continuava á nora…

-Está bem... ora, repare lá… a companheira do Viriato era mesmo… este tipo que aqui está?!

E o Cidadão apontou o ex-general Romano, Quinto Sertório

Eh! Pá! A rapariguinha, com as bochechas ao rubro só então é que deu conta do trocadilho das estatuetas, desatando numa aflição a colocá-las nos lugares correctos, de acordo com a toponímia, atingindo tal rapidez que se ouvia o tilintar dos bonecos colidindo uns nos outros!

Prontos... foi aqui que o Cidadão comprou a tal poção mágica!

Vá lá você também! Vai ver que não dói nada!


Mas não siga este triste exemplo de butir o elixir todo de uma vez!

Quanto ao Viriato e a sua tribo também usavam o princípio activo da Intifada! Corriam os Romanos á calhoada por aquelas encostas abaixo, deixando os Galhardos para trás! Pois nesta altura já haviam os amigos da onça… por exemplo, o Quinto Sertório, fundador da Sertã, foi traído e assassinado pelo seu amigão Metelo Pio. Quanto ao Viriato, idem aspas, aspas… foi assassinado por três dos seus amigalhaços Ditalco, Audax e Minuro! Uns verdadeiros filhos da mãe!

Há outros princípios activos, também colhidos da terra, para as maleitas do coração e da espessura dos glóbulos vermelhos, como o caso das infusões e chazadas que combatem a hipertensão arterial, sejam elas o Espinheiro Branco, a Hortelã-Pimenta, as raízes de Erva-cidreira, a Erva-de-São-Roberto, para o lugar da Felodipina e do Ramipril.

Destinados aos maus fígados, coisa máscula, encontramos por exemplo o Cardo-Mariano, o Abacate, a Alfavaca, o Boldo, a Carqueja, que também dá um belo arroz lá pelos Hermínios… a Cavalinha, a Fumária, o Hipericão do Gerês, o Taraxaco e a Tintória.

Para as maleitas estomacais, a natureza brinda-nos com o Aloé Vera, a Camomila e o Pau D’Arco, no lugar do Omeprazol e o Lansoprazol.

As depressões os stresses e as ansiedades são varridas com o Lúpulo, a Tília, o Alecrim do Campo, a Folha de Carne, a Catuaba, o Velame, a Malva, a Marcela a Chanana, a Flor de Catingueira e por aí adiante, no lugar do princípio activo do Clobazan.

Para o combate á impotência masculina, sacamos do Pau de Cabinda, do Alecrim, do Chapéu-de-Couro, da Catuaba, da Semente de Melancia, substituintes do activista princípio do Sildenafil…

Coisas do carais!

Pssst… Pssst… Pssssstt!

Eh! Ainda está aí?

Toc! Toc! Toc!

Sim… você mesmo… aí, á frente desse monitor!

Não se vá embora… ainda!

Fique mais um bocadinho que isto está a acabar!

Leia lá mais um bocadito, senão cá o Cidadão aborrece-se com o seu desinteresse e deixa de produzir bitáitadas de posts!

Também encontramos princípios activos na nossa natureza… pois… isso mesmo… em nós próprios. De momento, o princípio activo que mais nos interessa será o da Endorfina!

E como se produz? A ver vamos…

A contracção dos músculos faciais que levantam as bochechas, elevam os cantos labiais e quase fecham os olhos, induzem no cérebro a produção de substâncias químicas chamadas Endorfinas, que serão idênticas à morfina. Espalham-se pelo corpo todo, dando a sensação de bem-estar físico e emocional. Isto consegue-se através do relaxamento dos músculos, dos vasos sanguíneos e até dos esfíncteres que são os músculos existentes na uretra e no ânus, retentores da urina e das fezes… daí as expressões, “mijei-me a rir”… ou… “até chorei a rir”!

E mais… cá o Cidadão não se adianta… Sendo assim, quanto mais se ri, mais Endorfina será produzida. A boa disposição ajuda as pessoas a viverem mais alegres e com melhor auto-estima. Está em todos nós… pode-se induzir e transmitir através das Tecnologias de Informação e Comunicação… vulgo TIC…

“E eu tenho um tic… um tic, tic, tic”…

O que é que esta expressão tem a ver para o caso?! Nada! Era só para ver se você acompanhava o raciocínio… ou se estava para aí a dormitar… pensando na morte da bezerra!!!

Bom… onde é que íamos?

Ah!

Combate a tristeza, a depressão, a melancolia e beneficia a saúde… Já dizia o Sigmund Freud, que um texto bem disposto e humorado, indutor de um sorriso solitário, melhorava a saúde mental. A forte gargalhada, por exemplo, melhora a saúde física do interlocutor… a prevenção e a cura de doenças, combate o stress, alivia as dores, controla a tensão arterial oriunda do sistema nervoso. O rir oxigena o sangue, exercita os músculos torácicos e abdominais, tornando-se tão benéfico quanto a prática de determinados desportos!
Os benefícios da bôa disposição de espírito não se restringem à saúde física. Ser bem-humorado ajuda a superar momentos difíceis com mais facilidade. É claro que por vezes não é fácil arrancar um sorriso de alguém!

Por outro lado, quem se recusa a desfrutar deste princípio activo da Endorfina, será um potencial incubador de enxaquecas, rinites, dores de pescoço, gastrites e úlceras nervosas, para além de se tornar uma pessoa irritadiça, sorumbática, macambúzia, matutadora e dificilmente sociável!

Vá lá! Para terminar, esboce um sorriso…

Está a ver… tão jeitoso(a) que fica?

“pelágios sorrindo”

4 comentários:

Aqui - Ali - Acolá disse...

Oh amigo Cidadão, puxa vida meu mas que post este, para mim é 5*****!..

O meu amigo tem que me dizer onde é o seu consutório para eu ser consultado por si, tanto expôr de remédios para as maleitas que eu não fazia ideia de haver por aí.

E ando eu por vezes por aqui a largar os meus Euritos na farmácia e o meu amigo aí com umas receitas que se pode dizer à Borlix, para pelo menos aliviar coisas que não nos largam o corpo.

Ná, tenho que ir ao seu consultório!..

Então o amigo Cidadão não tinha visto ainda o plágio?

O amigo anda distraído ou isso é falta de tempo?

Puxa que assim não vale, vamos lá amigo, mais empenho na (coisa?) para que ela esteja mais activa ok?

Mas ó amigo cidadão então Belém não fica lá para Lisboa Perto do Cais de Alcântara?

Com caneco, agora é que o amigo com esta me pôs cá os neurónios trocados, ou será que por cá também já existe um monumento aos descobrimentos lá para as bandas do Aquapólis?

Cuidado ao andar pelas ruas da Cidade, essa coisa de andar pelo passeio também pode ser mau, pois até aí há grandes armadilhas, repare bem quando assim fôr, não vá o amigo cair nalguma Sargeta entupida já à meses e depois para sair de lá terá que vir o Tinoni para o socorrer.

Zimbromel hein!..E depois chegou ao céu, qual céu, e vai daí logo com duas misses a seu lado uma loura e outra morena, isso é que é vida boa amigo, ainda dizem que não há pessoas com sorte!..

Bem caro amigo, deixemos lá o Omeprazol o Lanzoprazol e quando fôr preciso, para aqueles momentos de maior ansiedade, sacamos de um bom Pau de Cabinda misturado com Alecrim e Semente de Melancia que dá cá uma salada matinal que até dá vida aos mortos, pois isso sim, é um bom combate à tristeza, à depressão e à melancolia.

Mas onde é que já ouvi isto?

É pá eu acordei agora, pois estava sonhando e não querem lá ver que ao acordar me lembrei dar uma valente gargalhada!..

Puxa, se não o fizesse cá à minha maneira estava a plagiar a gargalhada do vizinho..

Ele há cosas!....

Abraço

Cidadão abt disse...

Ó Aqui - Ali - Acolá,
consultório...
aqui, não há!
Eia! Rimou!Estes conhecimentos vêm da cultura popular e das caminhadas, com uma ajuda cá da Companheira, que domina mais ou menos o esquema em matéria de chás e infusões! No entanto quem quiser aproveitar estas eco-dicas, é dirigir-se a um vulgar supermercado e na secção dos chás e produtos naturais e aviar-se de acordo com as sugestões e as maleitas de que se padece!
Quanto ao plágio, isto é mesmo falta de tempo, visível logo pela disponibilidade e frequência das postagens!
Quanto a Belém, há esse a que se refere, mas também há o outro, aquele lá no Oriente, não na gare, mas onde nasceu outro activista... o Jesus Cristo!
Aquela coisa a nascer no Aquapólis, dava a idéia de ser uma rampa-suporte "lança foguetões", como o do Cabo Canaveral! Os locais dizem ser a torre que suportará os cabos do teleférico que ligará ao castelo... mas parece mesmo ser uma cena para enterrar uns cobres... se calhar o valor investido naquela obra fantástica seria suficiente para isentar e aliviar os cidadãos do concelho em algumas das tarifas aquíferas, durante uns tempitos jeitosos! Mas, valores mais altos se levantam!
Em termos de "plágio"... não se obceque com o assunto, era só, para introduzir o mote e o tempero!
Esteja à vontade nesse contexto!
Obrigado pela visita.

Anónimo disse...

A "Canção de Embalar" do Zeca Afonso, em versão "death metal"?
Hyubris, não é?
Desconhecia!
Uma beleza!
brigado, ó Cidadão, por me dar a conhecer esse grupo com um som tão maravilhoso! Fiquei rendido.Vou passar a palavra.
Artur :)

Cidadão abt disse...

Como cá o Cidadão já tem comentado noutras caixas de pirolitos, Hyubris é uma banda que merece uma maior projecção nacional, para não falar em internacional. A vocalista, Filipa Mota tem uma presença em palco e uma voz formidáveis!
Se correr este blogue, mais em baixo na secção musical poderá consultar o site oficial dos Hyubris.
Os vídeos do You-Tube são pouco abonatórios, devido á fraca qualidade e ao seu amadorismo, no entanto dão uma idéia do trabalho deste grupo.
Pela agenda dos concertos também se nota ser um grupo com maior aceitação nas zonas urbanas de maior densidade populacional e juventude diversificada.
Andam pelas áreas do folk céltico, heavy-metal bem encorpado, passam um pouquinho pelas sonoridadews do norte de África, vão buscar ritmos ao Leste Europeu, musica popular portuguesa e fado, recorrem a letras no domínio da mitologia grega, entram no paganismo, com um tom clássico tenor coloratura fugindo para o lírico e barítono, bastante clássico, ambiente de pura Ópera, que em melodias levitantes,nos reportam aos “Therion” e aos "Stream Of Passion".Um Gótico! Temas a serem ouvidos em condições acústicas decentes e com a necessária concentração.
Segundo consta, está para breve um terceiro álbum, “Forja” do qual cá o rapaz já ouviu “Tempo” e “Bruxas”, reveladores de maturidade e de uma evolução na instrumentalização.
Deve ser uma colectânea soberba!
Revela-se por aqui uma certa superficialidade do grosso da juventude e do people em geral, no tocante ao acarinhar, estimar e incentivar um grupo de culto, cá da região de Abrantes.
Por exemplo, em Tomar, há uns tais "Quinta do Bill", não sei se já ouviu falar(????) que quando actuam na sua terra, sucede uma autêntica romaria de gente de todas as idades credos e cores e feitios para os ouvirem e apoiarem!