.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

sábado, 22 de agosto de 2009

ICABANA




iCABANA



Naquelas terras diferentes havia uma estória linda de contar. Eram tempos dos Xin’s, Han’s, Qin’s, Ming’s, Czares, Benin’s, Congos, Núbios, Monomotapas, Mandingas, Daomés e dos Oio’s, Zulus, Bantos, Bosquímanos, Hutus, Kuas, Pigmeus, Tutsis, Berberes, uff que a lista vai longa…

-Olha lá! Engoliste alguma cassete ou porventura, o disco riscou-se?

…Foi a desagradável interrupção cá da Companheira… Irra!

-Um tipo não pode divagar nas dinastias, impérios e reinados deste Universo por bocadito que seja, pois há logo quem o faça regressar á cadeira!

Kiswahili, que naquelas terras distantes desabrochasse o tal reino do iCabana!

-Nhã, nhã, nhã! Disse “Kiswahili” que é outro reino, e ela nem reparou!

Mas adiante…

Detentor de um povo em que alguns dos vitimizados combatiam seus stresses á custa de ansiolíticos, do tintol, da erva daninha, do Yoga e do Zen… e outros possuíam bravos e domesticados felídeos que, para além de caçarem ratos e fazerem “miaou”, também davam para o relax!

Era ver os garbosos donos afagando tais bichanos!



… Até que um dia chegou lá um senhor que disse:

“Não Senhor!”

“-Dor’avante, neste reinado toda a gente se desanarquiza de métodos pós-stress e toca a praticar o iCabana!”


Mas o que era isso do iCabana?

Ainda houve quem suspeitasse o ser uma nova técnica de construção de batment’s com base nas Tecnologias da Informação e da Comunicação… tipos Web… do… género… “icabana@.com”

Carregava-se na tecla e…

Óops!


Ou…

Tcharamm!


Ou assim…

*Pluf»»»

E aparecia a casinha feita…


Dizem que será um espécimen mais catita mas prontos…

Mas, infelizmente, ainda não!

O iCabana foi uma arte de relax decorativo trazida por esse senhor desde as profundas florestas tropicais da África Central!


Todos os dias, ao pequeno-almoço, á sexta, ao lanche e ao serão, aquele povo feliz, em vez de ver telenovelas e futebóis, consultar e comentar nos blogues, fazer crochet ou coser as pontas das peúgas rotas dos maridos que se desleixavam em cortar as unhas… passou a praticar a arte do iCabana!

Superior ao Zen á Meditação Transcendental ou o afagar do bichano… só mesmo o iCabana!


O iCabana era uma coisa assim…

Sem explicação!

Eram horas bem gastas a compor ramalhetes, c’até as floristas daquele reino passavam seus tempos a… passar a ferro!


Foi decretado e publicado na república que todos os funcionários do reino, a exemplo praticassem uns iCabanazitos diários!

Em todo o gabinete desde vereador a presidente, em todo o balcão de atendimento ao público, em toda a tesouraria de repartição de finanças, em todo o guichet de serviços municipalizados, em todo o autocarro do amor, e até em toda a retroescavadora… morava seu vaso de iCabana!


Esta ultima movimentando-se mui suavemente para evitar deborcar o vaso de iCabana, que originaria reacções comportamentais adversas no operador da máquina!

Até nos cafés!

Os pessoais entravam num tasco de aldeia e zás!

Dava-se com um arranjinho de iCabana!


Aquilo era melhor que um pêndulo hipnotizante!

Qual tintol ou qual futebol ou qual carapuça!

Nada chegava aos calcantes do iCabana!

Devido aos calores, por vezes os ramalhetes de iCabana murchavam antes do tempo fazendo com que os frustrados concidadãos patriarcas irrompessem furibundos em seus frescos lares, levando a que suas digníssimas esposas exibissem a confecção da sua mais recente composição de iCabana… e tal como o Mafarrico foge da Cruz, também estes violentos maridos recuavam esgazeados… caindo de calhostras… e… convinha que seus pés fossem mergulhados em pequeno recipiente de plástico e não de barro… por causa da ASAE!


Vá De Retro Satanás

- ?????????

Xiça!

Não eram os pés dos maridos, eram os pés do iCabana, carais!

Vocês não estão atentos á leitura desta treta e depois dá nisto!!!

O iCabana assentava em três distintos pauzinhos…

O pauzinho principal e dois pauzinhos secundários!

O pauzinho principal ou Atchim… apontava para o Céu… o segundo mastro, o Shoes, não podia ultrapassar dois terços da altura do Atchim, senão estava feito ó bife… o arranjinho ficava sem equilíbrio ou nexo e suas forças deixavam de actuar sobre o praticante! Ainda por cima este men tinha que se inclinar em veemência ao Aaaaaatchim!!!

Santinho!!!


-Poderá ser da alergia aos pólens!

Observou cá a atenta Companheira.

Depois… depois seguia-se a terceira estaca!

O Icai!


Ai, ai, ai, e não cai

Embora suas raízes se promiscuíssem com as restantes, esta vareta fazia oposição ás outras duas, razão para a sua instabilidade… sempre atraída pelo centro de gravidade terrestre!

Todos amarradinhos na base, a modos que a dar a impressão de serem bué da unidos, aparentando apenas um… mas só parecendo!

Depois… enchia-se tudo em seu redor com éne verbos de flores, convinha que fossem bonitas e fruto da época, senão o pessoal desconfiava da cena e stressava imediatamente!


Agora, imaginem a pachorra requisitada, para o tal povo compor estes ramalhetes… seria preferível pegar na cana, no fio, no carreto, na manga e ir dar banho á minhoca!

Ah! Pois!

Se bem se lembram… isto tudo era para combater o stress daquele povo que foi promovido a felizardo!


O pior era que, de quando em vez, o atilho que segurava o ramalhete desmanchava-se todo, deixando o iCabana completamente desarmado e desamparado… indo cada pauzinho para seu lado… e aí sim, ficava a barraca Armada!


O pessoal envolvido nestas picardias manifestava súbito nervosismo, atingindo mesmo o delirium-trémus… c’até era de um tipo ficar de “olhos em bico”!

Prontos, cá o Cidadão já está farto de magicar… por ora chega!

Há que ir tomar uma b’jeca preta bem geladinha, daquelas com bastante espuma na crista da onda!

E você faça o mesmo pois é o melhor que levamos desta vida… mas cuidado, não abuse nem transforme isso num hábito, pois o álcool é danado e agarra “agente todos”!



11 comentários:

João Baptista Pico disse...

Lá imaginação não lhe falta. Agarrou bem na coisa icabana!
E icabana não precisa de PDM...
Tá?!

Fátima disse...

Icabana? Rir, rir, rir. Até me dóeu a barriga de tanto rir! Melhor do que os gatos ou os contemporâneos só mesmo este cidadão para alegrar a malta!Onde vai buscar disposição, enredo, imaginação e argumento para tanto? Na sua casa ninguém deve viver mal disposto.

Joaquim disse...

Ò cidadão, onde vai buscar a inspiração? ganhe calma senão rebenta conosco de tanto rir.

Artur :) disse...

Olá Cidadão abt;Uma crónica *********dez estrelas! Foi preciso consultar alguns outros blogues da secção politica local mas consegui perceber a idéia. Um apanhado por "eles" todos, numa sátira politico-familiar com muita metáfora pelo meio. As peúgas rotas e o afagar do bichano estão demais! É excepcional esse seu jeito critico-corrosivo. A escolha do boneco esgaseado para o link com o titulo icabana, tira logo uma pessoa do sério. Infindável, essa veia.

Cidadão abt disse...

João Baptista Pico na caixinha de pirolitos cá do Cidadão abt?

Fantástico!

Obrigado pela sua participação e seja bem-vindo a este ciberespaço!

Pois é...

O iCabana tem muitas pontas por onde se lhe agarrar!

Nem calcula as outras versões que por aqui foram magicadas, no entanto esta deparou-se a mais sensata para o momento!

No fundo o que interessa é que o amigo tivesse ficado ainda mais bem disposto com estas divagações...

Boas!

Cidadão abt disse...

Olá Fátima!
Com que então a divertir-se com as altas nóias cá do Cidadão, hem?

Isso é indecente!

Quanto aos Contemporâneos, aqui há uns tempitos, por plágio ou pura coincidência, à semelhança cá das crónicas do Cidadão,"Os Barulhos do Silêncio" surguiu por lá um caramelo a monologar com o Fernando Pessoa! Alguém na altura, comentou o facto!
Mas o primeiro a ter e a lançar a idéia foi cá este rapaz!

Quanto à disposição... há dias melhores e outros piores!

Imaginação... o improviso é uma constante por aqui, mesmo noutras funções... arranja-se sempre uma história engraçada para o momento.

Importante é mesmo o tempo necessário para as escrever, uma das razões pelas quais só mesmo ao fim de semana e à míngua, por mor de outras solicitações!

Obrigado pelos comment's.

Cidadão abt disse...

Joaquim... por ventura será alguma coisa à Fátima?

Hummmm...

É que o teor da sua observação é um tanto ou quanto idêntica...

Com que então, rebentar a rir... é assim como a história do sapo fumador.... ou quê?

Não se esqueça que há a inspiração mas também há a expiração!
Vá lá, quando desatar ás gargalhadas não se esqueça de expirar... tá?

Cidadão abt disse...

Olha o Artur!

De férias ou quê?

**********???
As estrelas foram em meados de Agosto quando uns pózes espaciais entraram na atmosfera terrestre!Para o ano há mais!

Ai, anda a consultar outros blogues que não sejam únicamente os do Cidadão abt?

Infidelidades!

Ciúme!
Ai!Ai!Se isso continua, não tarda nada cá o rapaz retira os links todos da coluna da esquerda dos blogues!

Não me diga que por sua casa também não se cortam as unhas dos pés?!!

O resto... bom... bom... adiante!

Quanto à veia, quando se acaba um artigo, fica-se sem idéia do que virá a seguir... depois... pela semana adiante, apesar da falta de tempo para estas coisas, daí as horas tardias para atender aos Vossos bitáites, vem surgindo o flash!
A escolha do gatinho esgaseado foi partilhada e discutida com a Companheira!Havia outros candidatos na Web, mas este pareceu ser o mais optimizado!
O curioso de tudo é que, até cá o rapaz se ri com os disparates da própria autoria, cada vez que os lê... caraças!
Isto será uma doença???

Maria Marques disse...

Inspiração não falta por aí!

Consegue fazer rir até os mais sisudos!


Um abraço.

Maria Marques

Aqui - Ali - Acolá disse...

Caro Cidadão abt. Voltei e tal como digo no meu blog (mas com saudades).

Respondo aqui ao seu ultimo comentário deixado no meu blog.

A selva, é aqui estes lugares onde habitamos, é aqui que existem os lobos, as cobras venenosas, os lacraus agoniantes, etc, etc..

Regressar mais cedo para o inferno?

Pudesse eu fugir deste marasmo alucinante e viver nos locais por onde passei isso sim, era a verdade e a vida, mas a vida não o permite porque ela está feita assim, embora alguns o façam e vivam mais saudáveis e mais felizes.

É verdade que cada noite no campo equivale a mais de um mês de vida e não só, pois só o próprio silêncio no ar puro em comunhão com a verdadeira natureza diz tudo.

Mas depois o regresso à Aldeia (Cidade Fantasma), faz-nos sentir tristes e deprimidos por esta intoxicação ambiental e humana que invade o espírito de uma pessoa numa frustração constante.

Os bichinhos que vc mencionou antes no comentário do meu post anterior onde agora li, não são esses que nos fazem mal, olhe que vários encontrei e até com alguns me diverti pela forma em como eles deambulam e até nos observam, pois alguns passei a conhecer que antes não conhecia, e defacto a natureza é espantosa.

Bem, uma coisa é certa, vi coisas maravilhosas, andei muito a pedantes por lugares belos onde à noite os pés escaldavam, mas o descanso e umas massagens repousantes punham a vontade madrugadora de não desistir.

Foi mais uma aventura na acalmia dos dias em que a natureza muito tem para nos dar e que desconhecemos.

De praia, estou farto, pois aí é que é um tormento muito grande onde as pessoas parecem pinguins a monte a areia desconfortante agarrada ao corpo, e a exploração de um lugar para habitar, isso sim, aí é que é a selva à beira mar.

Se eu para o ano cá estiver e o tempo o permitir, farei o mesmo, pois é assim que está pensado eu fazer com quem me acompanhou.

Sobre este seu post, bolas bolas amigo, Icabana - Quando se diz assim: - Cabecinha pensadora, está tudo dito, quanto ao resto, cada um que interprete a coisa à sua maneira, mas verdade verdadinha, cá prá gente!..

O que vem a seguir?

Será um PDM?..

Vá lá amigo, arranje aí uma coisa destas que logo fica famoso e tem um lugar na cadeira Mor cá da Aldeia(xixa)..

Bom início de semana..

Cidadão abt disse...

Olá Aqui - Ali - Acolá...

Essa noção de que os verdadeiros bichinhos não fazem mal a ninguém tendo por defesa natural o tal efeito visual e psicológico de repulsa, levando o ser humano a guardar-lhes alguma distância, salvo seja se lhes pisarem a cauda, é esta, uma constatação tomada cá pelo rapaz, desde tirrazinho. Toda aquela conversa e o modo de tratar com os ditos é mesmo uma forma carinhosa de interactivar!
Como diz e bem, nas selvas urbanas é que encontramos os tais clones... de maus exemplos.Talvez o comum do ser humano associe aos originais, os comportamentos destes, daí o tal horror e repulsa!
Quanto ao mar, é o tal stress das paletes empilhadas de sanfarriãns, cámones, spaguettis, e deutches ostensivos que, vai-se a ver... são tugas disfarçados! O mar, é por exemplo em África ou em locais desertos de gente!
Está a ver como deu corda ás botas e rompeu meias solas por esse Portugal desconhecido e profundo, longe dos alcatrões?
Quanto ao iCabana, não quer cá o Cidadão que estas nóias maradas se transformem numa marcação a alguém em especial, mas sómente uma intervençãozeca prá disposição, dentro das várias tendências políticas cá do burgo! Simplesmente, foi oportuno e universal!
Há outros mais para as bandas esquerdas, tão quedinhos... mal se dando conta deles... que é difícil arranjar uma ponta por onde se lhes pegar!Também, que raio de representatividade e de projectos para este território autárquico!
Assim sem matéria prima... é frustrante cá para o Cidadão!