.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

UMA AVENTURA



UMA AVENTURA

CARTA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA
Capítulo I
Artigo 1º
“A dignidade do ser humano é inviolável. Deve ser respeitada e protegida”.
Capítulo III
Artigo 25º
“A União reconhece e respeita o direito das pessoas idosas a uma existência
Condigna e independente e à sua participação na vida social e cultural”.
Capítulo IV
Artigo 35º
“Todas as pessoas têm o direito de aceder à prevenção em matéria de saúde e de beneficiar de cuidados médicos, de acordo com as legislações e práticas nacionais. Na definição e execução de todas as políticas e acções da União, será assegurado um elevado nível de protecção da saúde humana”
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
Artigo 25º
“ Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade”
Num destes dias cá o contribuinte teve que recorrer aos prestimosos Serviços Nacionais de Saúde para os quais desconta que nem um Lorde através das contribuições para a Segurança Social ao abrigo do estipulado na Constituição da República Portuguesa, sem imaginar que se ia meter numa fantástica, vertiginosa, hilariante e secante aventura que passa a relatar a partir deste momento;
Aí vai!
 Na escassez de medicação para a manutenção de corpo e alma, foi o Cidadão visitar o médico de família ao seu posto!
Aí concluiu que os médicos também adoecem confirmando aquele velhinho provérbio de “em casa de ferreiro, espeto de pau”, mal imaginando a aventura em que se estava a meter!
As meninas recepcionistas explicaram-lhe que tinha de se dirigir ás consultas de recurso, desta feita no Centro de Saúde de Tubucci… sim porque parece que em Tubucci há um centro de saúde! Para este caso de falta do médico estatal, seria a “montanha a ir a Maomé”... caso este serviço fosse prestado por empresa privada, ter-se ia de substituir o “Maomé que, decerto iria até á montanha”! Assim veio á ideia o Desgargalhol®.
Medicamento indicado para crises súbitas e inconvenientes de riso em situações constrangedoras como em velórios, missas, e quando o médico de famelga está doente e sem substituo neste Portugal onde as Universidades botam cá para fora ás centenas, por ano!!!
O uso contínuo deste medicamento apresentado sob a forma de drageias azuis endurece as feições do rosto levando a um sorriso firme, hirto, amarelo e estático, além de tornar a vida bem mais chata, portanto, embora aparente, nada tem a ver com o Viagra®!
A modos que...
Eeeeh! Lá!
-Quem meteu aqui esta foto tão antiga?
Eram sete e picos, oito e coisa, nove e tal, toca de trepar a encosta ao alcance daquele edifício majestoso com umas chaminés e um pirilau branco e vermelho indicando a direcção de Éolo!
Estacionado o pé de borracha no parque exterior pois o senhor segurança crivava o acesso aos pátios internos, foi este praça trepar a escadaria do edifício, vencendo dois pares de portas bamboleantes… ficando surpreendido com a mole humana que por ali se abrigava!
Mais um balcão de atendimento corrido, assistido por senhoras mui simpáticas que agradávelmente explicaram ser tardia a hora para retirar a senha da lista de espera para as consultas de recurso, daquele aparelho redondo que lembrava o carregador de serpentina de uma AK-47 Kalashnikov ao que o Cidadão retorquiu até nem se importar de marcar consulta prévia para um médico ao calhas!
Ao calhas…o tanas!
Para os utentes do recurso, ou havia senha ou não havia nada p´ra ninguém!
-Então mas o carregador está vazio!
Exclamou cá o Cidadão abt!
-Está vazio porque para hoje já se esgotaram as senhas! Volte amanhã bem cedo que consegue vez!
Foi a resposta da simpática senhora que entretanto colocou uma máscara branca, pondo cá o rapaz a magicar que afinal a máscara do seu perfil do Link tinha pegado moda por Tubucci... adiante!
-Bem cedo é o quê? Aí pelas oito horas... talvez…
Observou este praça, ao que a mascarada recepcionista retorquiu em voz mais ou menos aflautada:
-Ás cinco da manhã já há por aí gente! Venha mais ou menos a essa hora!
Gaita!
Foi então que cá o rapazola sentiu necessidade dos remédios para a tensão! Passou-lhe assim uma coisa pelas vistas… conforme Vosselências poderão constatar pelas fotos dos avisos, e três vertigens depois, olhou em redor mirando duas salas de espera e um corredor repletos de pacientes que o observavam com ar de caso!
Numa situação destas recomenda-se a toma de Parvonol® em cápsulas bicolores para o tratamento de aparvalhamento em geral.
Não há contra-indicações na medida em que umas semanas de Parvonol® provou serem benéficas a qualquer utente dos serviços nacionais de saúde... podem surgir alguns efeitos secundários na medida em que o uso de Parvonol® gerará uma forte depressão nos primeiros dias de toma pois o paciente passa a perceber como os postos médicos das freguesias Tubuccianas funcionavam antes deste êxodo.
Escusado será dizer que no dia seguinte pelas tais sete e pouco cá o Cidadão abt já se batia junto ás escadarias do tal Centro de Saúde… juntamente com umas dezenas de utentes que se questionavam qual teria sido o penúltimo a chegar ao local, pois o último era certo e sabido!
Passou-se o tempo com um nevoeiro do catano a enregelar as ossadas no exterior das portadas envidraçadas até que, finalmente, aquela massa humana, quais zombies decididos, iniciou a escalada da escadaria de acesso ao primeiro piso, isto pelas oito horas e trinta, cada um retirando a respectiva senha do carregador vermelho da Kalash!
Quando chegou a vez cá do Cidadão, saiu-lhe o B-69 na rifa!
Ao menos, valha-nos a sugestão!!!
Decorridos alguns minutos... uns quartos de hora... umas meias horas... e horas inteiras, a chamada avançava lenta e penosa pelos decibéis do raio de um altifalante carregado de vírus que, um tanto ou quanto afónico, roufenho e ruidoso, mal se percebia o que nele se berrava! Aquilo parecia ser um problema de amigdalite!
Os idosos questionavam-se, amparando os canais auditivos com as palmas das mãos, convencidos que teriam de efectuar umas lavagens aos tímpanos:
“-O que disseram agora???”
Era meio-dia… quando chamaram pelo B-52!
Que tinha abalado para outras guerras…
Entretanto como “o vagar faz colheres”, este desgraçado resolveu topar o que se transmitia nos diálogos daqueles ambientes, enquanto os pacientes se tornavam cada vez mais impacientes…com gente a falar alto p’ra caraças, lindas e jovens mamãs tentavam dominar as hiperactividades de seus rebentos que pareciam querer estoirar com o mobiliário, especial incidência para os cadeirões, numa amálgama de revistas e folhetos pelo ar, promiscuindo vírus e virilidades!
Em situações destas recomenda-se o Ficabonzin® um xarope indicado para avozinhas irritadas e criancinhas irrequietas malcriadas e/ou hiperactivas…
Ficabonzin® tem na sua fórmula o princípio activo do Pesacusil, um composto capaz de criar sensação de peso nas nalgas, mantendo o pessoal sentadinho nos lugares, sem partir nada. Contém também a antiberromicina, que provoca paralisia completa das cordas vocais, impedindo berros e vociferações inconvenientes que estoiram com os tímpanos dos restantes.
Olha! Se calhar é o problema do megafone!

Este composto não é recomendável a adultos do sexo masculino, que com o tempo passam a produzir espontaneamente hormonas de Pesacusil no seu organismo. Se der Ficabonzin® a um adulto destes, o tipo nunca mais se levantará do sofá. Marmanjos que apliquem Ficabonzin® ás esposas com o intuito de as calarem e reduzir-lhes as idas às compras, devem saber que o Pesacusil pesa realmente muito, e depois de certa idade tudo o que muito pesa, descai e depois perdem estas firmezas...

Estão a perceber, não estão?
Desta feita cá o rapaz chegou á conclusão que por ali se escrutinavam três castas de impacientes…
Os que iam aos medicamentos, aqueles que estavam realmente doentes de todo e os portadores do vírus “recorrência”, transversais a ambas as castas anteriores.
Ali se constatou que “os recorrentes” eram oriundos de diversas regiões tal como: Alvega, Pego, São Miguel, Arreciadas, Rossio ao Sul do Tejo, Bemposta, Vale das Mós, todos da margem sul do verdejante Tejo Tubucciano, e alguns de Martinchel, Aldeia do Mato e Souto, do norte de Tubucci, que ali trocavam impressões sobre as experiências agrícolas das vindimas, da apanha da azeitona e daqueles que de maduros, caem das árvores ou escorregam pelas barreiras abaixo praticando skú sobre os rafiosos panos de azeitona! Um novo desporto radikal de cariz popular em expansão nos últimos tempos, capaz de suplantar o “Jogo do Pau” o “Chinquilho” ou até o “Quebra da Bilha”.
 Sem dúvida um local de convívio e intercâmbio de vírus!
È aqui que poderemos encontrar os tais quarenta e tal por cento de abstencionistas dos últimos sufrágios!
Entretanto já se adivinhava uma pandemia do Recorrência, cujos sintomas se manifestavam pela impaciência galopante, sensação de fome, dores de costas e degradação de relacionamento humano!
Este contribuinte da Segurança Social concluiu que quase todos os médicos da região deveriam estar de baixa ou a caminho da reforma, não havendo + para substituição, provávelmente porque aquilo é tudo do Estado todo poderoso a que chegámos… se fosse o desgraçado do privado a parar sua actividade profissional por escassos dias, levaria com uma panóplia de fiscais á perna, pondo ordem na cena e butindo umas massas valentes para os cofres do sistema contributivo! Para minimizar os danos colaterais a este tipo de problemas, recomenda-se o Buracol®, infusão indicada em caso de incómodos agudos de fonte externa.
Uma saqueta de Buracol® é capaz de fazer o paciente desaparecer por completo durante um período de dois a três dias. Não se recomenda o uso desta infusão em casos de teste de paternidade, casamentos (civil ou religioso), e no dia do exame de Análises Matemáticas I ou II. Depois de passar o efeito desta essência, é comum que o problema externo persista. Após o consumo de Buracol® e terminado o seu efeito, alguns pacientes relataram dores de cabeça por conta da chuva de perguntas do tipo:
"Tens noção da cagada que fizeste???"
Chegou-se a hora da manduca e qual quê? Alguma vez pensava cá o Cidadão abt que ainda por ali estaria rente ás treze da tarde? Estava quilhado! Completamente quilhado e não aplica por aqui outro termo mais elucidativo porque prometeu no seu intróito que nunca utilizaria o calão, caso contrário o termo correcto seria... cá está a necessidade de umas gotas de
Esquecil®!
(Olha lá, não testiques, ó Cidadão abt!)
Shiiiiuuu… não digam nada, mas esta foi a reprimenda cá do anjinho da guarda!
Entrementes houve que abandonar a guarita afim de manjar algum alimento, vai daí, desenferrujou o bíceps pela escadaria abaixo, e recorrendo ao bar domado por uma senhora em marcha lenta, papou duas sandochas apetitosas de ôlho numa enfermeirinha...
“pssst!... pssst!...”
(a ver vamos se cá a Companheira não lê esta crónica ou pelo menos se canse de a ler antes de chegar a este parágrafo, caso contrário temos o caldo entornado em caselas)
 e butindo um sumo de laranja porque o de uva tinha esgotado, foi-se ao café e subiu a escadaria regressando àquele local fastidioso onde de fora para dentro se percebia um cheiro a calor humano que tresandava!
Escoava-se o tempo olhando a brasileirada que passava no televisor, novela de tiros, raptos e uma data de cenas de faca e alguidar com actores auzáis e carros a chiar...
Entretanto no tubo de raios catódicos formou-se uma mulher de olhos arregalados, boca e seios enormes, aos gritos, desafiando o megafone do tecto, que de quando em vez lá detrás da pantalha punha uma plateia de senhoras idosas aos saltos, batendo palmas sincronizadas ou esfregando os artelhos no soalho. Explicaram que aquele fenómeno radiotelevisivo era a Júlia Pinheiro!”
Sabem o que isso é???
Do que um gajo se livra, não tendo tempo para ver televisão!!!
Bom...
O tempo avançou e a sequência da chamada acelerou, com dois e três números de rajada, não porque o atendimento mamasse com algum lubrificante, mas porque os impacientes capitulavam na espera e abalavam dali para fora, sendo a hora do transporte, razão suficiente.
Nesta altura, uma das quatro senhoras recepcionistas que dava ares de ser a big-boss do sítio tranquilizou os idosos, os de meia-idade, as mamãs das criancinhas e restante maralha com o seguinte anúncio:
-“Chegou o médico de reforço, estejam descansados que ninguém fica por atender!”
Pudera!
Chegou o médico de reforço eram dezasseis horas e poucos minutos com as salas de espera a meia carga de impacientes com a pandemia comum do
 Recorrência,
Àquela hora parte deles já tinha desistido, zarpado, dado ao slide, ou aquilo que vocês queiram chamar á coisa!
Prosseguindo o relato desta mirabolante aventura, perto das dezassete horas cá o Cidadão apercebeu-se que se considerava um felizardo, pois diagnosticou alguém com a senha B-81!
Tinha perdido um dia de trabalho em prol de franca convivência e permuta de conhecimentos, culminando num enriquecimento cultural sem paralelo com o povo das aldeias envolventes!
Gente simpática, sim senhores!
Fazendo contas por alto e dividindo o pessoal pelos diversos postos médicos K.Ó.’s, no início desta estrambólica aventura contabilizaríamos uma média de 11 (onze) impacientes com o vírus “Recorrência” por cada posto.
Coisa pouca.
Como deverão compreender, durante este insignificante lapso de tempo outros tantos utentes foram desistindo da sua vez pois os autocarros não esperavam, ou não aguentavam aquele teste á perseverança, á persistência, á paciência, á constância onde pousa o Director do Centro Hospitalar do Zêzere, e a outras coisas mais... como as pressões do intestino e da bexiga, as neuroses e dores de cabeça e lombares, rins e fígado, as fugidas ás sandes, garrafas e bolachas de água e sal e por aí adiante, iludindo estômagos exaustos de zurzir!
Um espectáculo!
Lá fora, o Sol descia atrás das nuvens carregadas e as sombras da noite tomavam conta da região!
As luzes amarelecidas faziam sentir a sua utilidade, tracejadas pelo gravanejo da chuva miudinha e dos reflexos das viaturas que cruzavam a curvilínea avenida do Paiol, quando dos altifalantes roufenhos do tecto um som mais ou menos de gripe suína se fez desaperceber:
69!
!!!
Eiiia!!! C’um catano!
 O 69 era o número preferido cá do Cidadão!
E... não é que este praça foi espetar aqui com uma foto de dois bácoros fazendo... badalhoquices?!
Numa situação tão constrangedora para o próprio há que ingerir Ctrl+Zol® para gafes destas e similares.
É o medicamento perfeito para aqueles momentos pós postagem de uma borrada tão grande que dá vontade de arrancar a própria cabeça, colocar num saco de papel e enterrá-la no quintal!!!
 Este mitombo não é indicado no rescaldo das promessas políticas, no jogo do azar nem durante as partidas de futebol. Atenção que a sobredosagem trava o sistema nervoso central, sendo obrigatório o uso do antídoto Ctrl+Alt+Delina®.
Depois deste rapaz se ter dirigido á menina ou senhora… ou lá o que era…não soube bem porque tinha uma máscara igualzinha á dos Chinocas, fez a sua inscriçãozinha, desembolsou a taxa moderadora e, noite escura, foi direitinho ao senhor “Doutor de recurso” que afinal era uma senhora “Doutora de recurso”, sem antes ter transposto mais umas portas e passagens… bom… bom… lá veio aquilo á ideia outra vez…
Para tal, recomenda-se Esquecil®, indicado para problemas de coração partido, e traumas em geral. Solução em gotas a serem depositadas no copo de água, mas se for associado ao Tintol®, as suas funções são potenciadas na ordem de cinco para um, ou seja, por cada cinco gotas de Esquecil®, corresponde uma litrosa de Tintol®.
Perceberam esta? Ainda bem pois cá o rapaz também não! Este medicamento, o Tintol®, embalado ou engarrafado, apresenta-se sob a forma de pomada, numa concentração volumétrica entre os 9% e os 6%. È ingerido em tomas sucessivas de 20cl. antes e durante as principais refeições.
A sobredosagem provoca euforia, excitação, egocentrismo e vertigens. Em casos mais agudos causa diplopia, visão monocromática e em túnel, descoordenação psicomotora e vulnerabilidade á luz, podendo o paciente atingir o estado de coma.
Esquecil® apaga por completo a memória recente… Cuidado com a sobredosagem! Há casos de usuários de Esquecil® que voltaram a votar nos mesmos, e neste caso recomenda-se o uso conjunto do Socratim®.
Uma toma de Esquecil® antes das três principais refeições e outra toma de Socratim® após as mesmas, visto este ser um gastro-resistente!
Eh! Eh! Eh!
(“
Comporta-te ó Cidadão kesta é uma crónica bué da séria!”)
Shiiiiuuu… não digam nada, mas esta foi a recomendação cá do anjinho da guarda!

Só falta mesmo recomendar o Socratim® em cápsulas, indicado para problemas recentes de memória, nomeadamente quem tendeu a esquecer os últimos quatro anos de governação.
Foram detectados casos em que os pacientes passaram a
manifestar dislexia, que poderá trazer-nos complicações de maior!
E com esta treta toda, estando cá o Cidadão aviado á pressa rente às dezassete horas e muitos minutos, ainda teve tempo para praticar a boa acção da noite... sim porque esta aventura começou ainda o Sol não se tinha mostrado e terminou com Sol-posto...
Ah! Pois!  
Cinco minutos!
Não chegou a 5 (cinco) minutos... o tempo dispendido para aviar o receituário triplicado dos medicamentos de manutenção, depois de 10 (dez) horas de espera! E digam lá se esta não foi uma grandessíssima e maravilhosa aventura?
A boa acção da noite foi encher o popó com pessoas desesperadas que perderam os transportes, depositando-as junto de suas casas.
Digam lá se este Cidadão abt, apesar de corrosivo p’ra caraças, não tem bom coração?
Vós aí... estais a queixar-vos que esta crónica foi extensa com’ó carais e sofrestes uma ganda seca até atingirdes o final, e mais isto, e mais aquilo e aqueloutro... confortavelmente sentadinhos defronte aos vossos monitores... é para calculardes a aventura em que um tipo se mete quando recorre a estes prestimosos serviços.
Como deveis reparar, o pagamento das contribuições processa-se através de um mecanismo bastante mais aligeirado e eficiente.

14 comentários:

Fátima disse...

Ena, caro cidadão!

Depois de um interregno na consulta deste site, constato que você mantêm a pedalada que o caracteriza na web!
Mas que grande aventura!
Esse é um retrato fiel do ambiente que últimamente sem tem registado por aquelas duas salas de espera do Centro de Saúde de Abrantes!Coitados dos que precisam de recorrer aos nossos prestimosos serviços de assistência médica!
Caminhamos de cavalo para burro!
Decerto levei mais tempo a ler esta sua aventura do que aquele que você dispendeu frente á médica de recurso!
É uma vergonha e falta de dignidade humana, aquilo que por lá se passa quanto ao atendimento dos utentes!
Haja alguém com fibra que denuncie públicamente esta situação!
Deste modo mais gente fica a saber e isso já é positivo!
Agora o texto.
Mais uma vez a sua imagem de marca numa crónica humorística e corrosiva! Admiro-lhe a paciência e criatividade para um trabalho destes!
Aquilo do tintol dos 9% aos... "16%" de volume, será o que quereria escrever!
Não surpreende, calculo o trabalhão que lhe deve ter dado construir esta crónica!
Passei bons monentos de risada em família!
Que você nunca perca essa veia!

Parabéns e bom feriado.

P.S.- O Movimento Perpétuo Associativo dos Deolinda está a condizer!

tiri-ri disse...

Reforço o que disse Fátima Ena Ena, caro Cidadão, Bolas é de ficar sem fôlego.

Está feito o retracto fiel, do martírio que passam todos os dias os cidadãos que têm de recorrer, ao médico de recurso "passe o pleonasmo", será que não há forma de se resolver a falta de médicos? Uma pergunta porque não se baixam os números clausos? Acho que estamos a precisar de outro 25. è que o 25 não chegou a todo o lado e o sistema coorporativo ainda funciona, depois andamos a contratar/importar médicos, quando temos condições para formar bons médicos. Bem é o País que temos, é a vontade do povo, o povo votou, faz lembrar aquela frase, Quanto mais me bates, mais gosto de ti. Parabens pelo Post, e gabo-lhe a pachorra.

O Cidadão abt disse...

Olá, Tiri-ri-ri!

Seja bem recebido nesta chafarica cá do Cidadão!

Com tanto concurso, será que as Faculdades Portuguesas de Medicina não debitam médicos suficientes para colmatar estas quebras cada vez mais frequentes?
Será que os Serviços Nacionais de Saúde andam poupadinhos não querendo abrir os cordões á bolsa criando aliciantes para colocar médicos no interior ou será que os recém formados recusam pura e simplesmente sujeitar-se ao interior?
Um governo que se preocupe com o a qualidade de vida e bem estar do povo que o elegeu melhor o deveria considerar, sendo mais eficaz e eficiente a colmatar estas falhas gravíssimas do sistema!Mas pelos vistos a qualidade de vida é uma regalia restrita e esses mesmos!
Quanto ao povo votante até dá a sensação de ser sadomasoquista!
Ou estes serão os abstencionistas silenciados do interior que consentem que os seus filhos e os demais decidam por si?
Há qualquer coisa aqui que não é racional...

O Cidadão abt disse...

Olá Fátima!

Em abono da verdade este artigo começou a ser construído desde o tempo de "O TANQUE 201", a solícito de mail's e sugestões ln-loco!
Algumas das imagens dos medicamentos apresentados chegaram via correio electrónico... depois foi uma questão de meter "pés ao caminho", recolher informação fidedigna, observar e constatar os factos em directo para não fugir á realidade, enfim, sentir na pele, bater umas fotos, puxar pela imaginação e pelo humor, recorrer aos conhecimentos informáticos e tecnológicos do Júnior Shegundo sem o qual certas coisas não seriam possíveis de postar, investir umas horas jeitosas em profunda concentração... e mesmo assim para os mais atentos, ainda sobraram três pequenos erros de composição gramatical e a falta do "1".
Este post é realmente enorme mas acaba por substituir uma dúzia dos outros, razão pela qual a postagem é semanal ou até, quinzenal!
Este artigo é bem mais abrangente do que aquilo que aparenta, porquanto há nele umas voltinhas imperceptíveis para o comum dos mortais abordando assuntos muito específicos e pessoais só identificáveis pelos visados e pelos que os rodeiam, para os tais seguem os votos de muita estima cá do Cidadão abt!
Havia matéria em mente, suficiente para desenvolver a parte satírica e humorística para o dobro mas... era demais!
O curioso é que o pessoal que justamente, sugere a abordagem destes assuntos, seguidamente aos trabalhos não corresponde com o respectivo feed-back aqui na caixita dos pirolitos, dando a sensação que o feed-back é antecipado!
Em primeiro lugar, que fique do lado daí um rasto de bôa disposição, e em segundo, que esta acção seja uma útil pedrada num charco que aparenta tender a estagnar!

Obrigado pelos bitáites!

Artur :) disse...

Apesar da sua narrativa ser bastante bem humorada, o assunto em apreço é bastante sério.
Concluímos que em determinadas áreas administrativas, Portugal continua um dos últimos na cauda da Europa.
Relatado na terceira pessoa como é de seu timbre, e depois do seu comentário-resposta, embora de somenos importância,fiquei sem perceber se o cidadão despendeu efectivamente de dez horas pessoais nesses serviços tão eficazes dos SNS.
Foi na Net, a voz daquela mole humana que devido á sua condução de interiorização e ruralidade nem saberá aceder a estes sistemas informáticos.

Parabéns pelo trabalho.

Anónimo disse...

já tinha lido esta notícia e agora volto aqui para dizer que é verdade o que está escrito aqui e é uma vergonha o que se passa no hospital de abrantes. A minha tia que é do rossio, como não há médico, hoje foi de madrugada á consulta ao hospital para depois de esperar umas horas lhe dizerem que não havia u médico do recurso.

O Cidadão abt disse...

Ciberamigo Artur:

Avançando para o segundo parágrafo do seu comment's porque do primeiro já tudo está dito, cá o Cidadão resolveu "juntar o útil ao desagradável"!
Como foi explicado anteriormente, a coisa começou por uns "convites".
Depois, como "um dia não são dias" e poderia incorrer em equívoco utópico tipo "Alegoria da Caverna," à laia de estudo do terreno, foram feitas umas curtas incursões aos "teatros de operações" para recolha de informação mais fidedigna e estudo do ambiente até que chegou o tal dia <"D" das dez horas! Isto foi masoquismo puro mas pronto, fica a satisfação do dever cumprido!
Repare se Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada tiveram os mesmos procedimentos!

LOL!

O Cidadão abt disse...

Ao anónimo das dezasseis a dividir por um!

Esse seu comentário só vem reforçar o descrito!
Atenção que o sector em causa é o dos "Serviços de Saúde de Abrantes"de assistência médica ???regular??? ás populações e não o sector hospitalar!
Embora se revele uma "melhoria" nos serviços avisando os utentes que afinal hoje não há médico que deia mãos a medir, na medida em que, "mais vale um desengano do que andar todo o dia enganado!"

Obrigado pela forcinha!

Maria Marques disse...

Olá amigo!
Se alguém se sentir mal com a realidade da vida (não é para menos,pois nem os serviços de saúde funcionam com decência),será bom que visite o blogue do cidadão onde encontrará o humor de que precisa!É que nos tempos que correm quando em vez de evolução só encontramos selvajaria ,a ironia é o que nos vai valendo.
Só mesmo o cidadão abt consegue brindar-nos com textos tão interessantes!

Parabéns mais uma vez!!!
Maria Marques

O Cidadão abt disse...

Pois pois, cibercaríssima Maria Marques!

Qual Eristoff, qual Smirnoff... qual Zoloft, qual quê!

Em falta de médicos de assistência, sempre se receita uma sopinha de letras made in "O Cidadão abt" para a descompressão dos responsáveis por estas situações!
Coitadinhos d'eles!

Com o povo assim tão bem tratado, que a vergonha lhes chegue até ás orelhas! Daqui a três anos e escassos meses voltam a "preocupar-se" com os eleitores!

MGHORTA disse...

Não tenho comentários, só sei que fui surpreendido por uma crónica da vida real, uma daquelas comuns que qualquer cidadão se debate diariamente nestes sepulcros de assistências médicas e similares.
É um autêntico calvário em que muito se inserem, os que ainda são felizes em terem médico de família, caso teu cidadão.
Muito bem conseguido, bem ilustrado e com um humor digno de um verdadeiro artista.
Além de um forte abraço, os meus parabéns amigo cidadãoABT.

O Cidadão abt disse...

Gracias por tão lisonjeiras bitáitadas, caro M.G.!

Enquanto uns tantos nem médico de família têm, outros beneficiam de múltiplos sistemas de saúde!
E há aqueles que descontam p'ra burro para serem tratados destes modos!
O curioso é que este relato transmite os suplícios de gente silenciosa e silenciada, dos idosos, das mães com seus filhos nos braços, das gentes das aldeias limítrofes, gente sem voz, como frisa o caro Artur, que só é lembrada, cortejada e prometida nos seis meses antecedentes ás eleições.

Anónimo disse...

o comentário do anónimo das 16:01 só pode ser irónico!
Não foi precisamente a freguesia do Rossio ao Sul do Tejo uma das que vem apostando na política de continuidade? Se dúvidas houver, basta consultar o site da Comissão Nacional de Eleições! A sua tia será dos últimos a ter razões de queixa!

MGHORTA disse...

OBRIGADO CIDADÃO ABT