.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

sábado, 24 de abril de 2010

25 DE ABRIL

2 comentários:

Pica-Pau disse...

Já foi Cravo e foi esperança
Na mente de quem tanto amou
Este país tão sofrido
Que tantos corações destroçou.

25-74 ao despertar
A esperança que foi (um bravo)
Agora só vejo fumo
Que fez murchar este Cravo.

Abril 25 onde páras?

Maria Marques disse...

25 de Abril...liberdade,paz,fraternidade e saudosismo de muitos que ,infelizmente, teimam em não perceber a grande coragem daqueles jovens militares(idades entre 20 e 30 anos)que arriscaram a vida em nome da libertação de um povo acorrentado.Quero acreditar que 24 de Abril não mais voltará.
Maria Marques