.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

sábado, 2 de outubro de 2010

AGUENTABRANTES




AGUENTABRANTES

Nos últimos dias o juízo cá do Cidadão abt  vem sendo atentado por diversa correspondência digital e assediado em conversas de café, onde lhe é ventilado que ,a facturação da água nos é apresentada por estimativa num determinado mês do ano, levando a que a SMA-Ambientabrantes reponha e facture no mês seguinte, os valores reais do consumo efectuado.
Se bem reparem, directa ou por portas travessas, esta SMA-Ambientabrantes dá-nos muito que falar e até, escrever!

V.O. (voz-off) Explica-te melhor, se fazes o favor.
C.P. (cabecinha pensadora) Suponhamos que um freguês consome 5m3 de água em Junho e outros tantos 5m3 de água em Julho.
Vencido o Agosto, a SMA-Ambientabrantes apresenta-lhe um valor de consumo por estimativa compreendido nos tais 5m3, baseando-se nos consumos efectuados nos dois meses anteriores, porque o senhor leitor-cobrador esteve de férias... mas na realidade, porque a famelga regressou ao lar materno afim de curtir as merecidas férias e, como herdou os hábitos de higiene dos papás, nos banhos matinais e nocturnos destes meses de suadas canículas o contador do utente dos SMA Ambientabrantes apresentou um gasto de 15m3 de água! Se em Setembro a famelga aguardar pelas colocações académicas e profissionais... e o consumidor insistir no usufruto de outros tantos 15m3, é precisamente nesse que a SMA-Ambientabrantes lhe crava o galho, fazendo-lhe o acerto do diferencial em falta consumido em Agosto, ou seja, ser-lhe-ão cobrados os quilolitros gastos nesse mês... portanto, para além dos 15m3 de consumo real ser-lhe-ão acrescentados os tais 10m3 que lhe deveriam ter sido facturados no mês de Agosto!
V.O.-C’um catano!!!
C.P. – Tudo isto estaria correcto, não fosse o caso das tarifas do metro cúbico de água estarem tabeladas por escalões.
1º Escalão [1-5m3] – € 0,6900 + 6 %IVA
2º Escalão [6-15m3] – € 0,8200 + 6 %IVA
3º Escalão [16-25m3] – € 1.1890 + 6 %IVA
4º Escalão [+de 25m3] – € 1.2710 + 6 %IVA
Na prática, a SMA-Ambientabrantes transferiu os tais10m3 de Agosto para Setembro, que, efectivamente enquadrados no 2º escalão à ordem de €0,8200 + 6%IVA por m3, totalizando € 8,692 ,os promove ao 3º escalão, ao preço de €1.1890 + 6%IVA por m3, perfazendo uns módicos € 12,6034...
Conclui-se que as férias do leitor-cobrador, para esse desafortunado consumidor se importaram em € 3,9114...
Este ensaio é baseado na média de consumo de um freguês doméstico, pois outros haverão cujas discrepâncias de valores se transferirão do primeiro ou do segundo, para o quarto escalão!
É um valor insignificante perante o ordenado auferido por um Presidente de um Concelho de Administração ou qualquer outro gestor de entidade reguladora, acrescidos de alguma reformazinha, por exemplo de vice-presidente de qualquer outra instituição de utilidade pública sem fins lucrativos, ou confrontados com os aproximados 22.689 fregueses da SMA-Ambientabrantes!
Passemos à fase seguinte, em que o consumidor reclama junto aos prestimosos serviços desta institucionalizada empresa!

V.O. – Como se sairão os senhores administradores?

Irra que o voz-off é um chato do camandro!
Aqui, houve que agradecer a colaboração do utente que facultou uma das respostas prontificadas, depois de efectuada a respectiva reclamação junto dos SMA-Ambientabrantes, do qual e por condição, se omite a identidade.
C.P. – Uma nega redundante é o que receberá prontamente do lote 65 da Via Industrial 1 do Parque Industrial de Abrantes, baseada a alínea a) do nº1 de um tal artº 34º, do REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO CONCELHO DE ABRANTES”, deixando o freguês completamente...
V.O.-zá-zá!
C.P. – Se o consumidor lavar as vistas no tal regulamento, irá constatar que esse artigo é complemento do nº 3 do artº 31º que reza o seguinte:
“Nos meses em que não seja possível a leitura por causa não imputável aos SMA, pode o consumidor comunicar aos SMA o valor registado. Se o não fizer, será considerado o consumo médio mensal calculado nos termos do artigo 34º deste regulamento.”

Sendo a causa imputável aos SMA-Ambientabrantes, posto que ausência da leitura se dever às férias do senhor leitor-cobrador, terá que ser tratada nos conformes dos nºs 1 e 2 do artº 31º, que rezam assim:
1 - A periodicidade normal de leitura dos contadores pelos SMA, é mensal.
2 - Uma vez por ano não haverá leitura, devido ao período de férias dos leitores-cobradores, em cada ano oportunamente divulgado. No mês seguinte será feita a leitura, dividindo-se o consumo, para efeitos de determinação dos escalões de facturação, igualmente pelos dois meses a que se refere.
Como para bom entendedor meia palavra basta, os cozinheiros do regulamento só terão que comunicar atempadamente aos consumidores, sobre qual o mês em que a factura lhes é avançada sem as taxas de cobrança do consumo de m3 de água por ausência do respectivo funcionário e no mês seguinte, a leitura real será dividida em duas parcelas, equitativamente por cada escalão, ou seja:
2x o1º escalão de Agosto e Setembro.
1º Escalão [1-5m3] – € 0,6900 + 6 %IVA
2x o 2ºescalão de Agosto e Setembro.
2º Escalão [6-15m3] – € 0,8200 + 6 %IVA
2x o 3ºescalão de Agosto e Setembro.
3º Escalão [16-25m3] – € 1.1890+6 %IVA
2x o 4ºescalão de Agosto e Setembro.
4º Escalão [+de 25m3] – € 1,2710 + 6 %IVA

Ainda assim a coisa não ficaria a 100% mas ia ao encontro do regulamentado!

V.O. E... como sucedia nos anos transactos?

C.P. – Se o consumidor reclamasse, os serviços faziam-lhe os acertos nos meses seguintes de modo a minimizar o inflacionamento das contas.

V.O. – E... não é o que acontece no presente ano de 2010?

C.P. – Não! 
Além de lhe mandar com o artº34 para os queixos, o Senhor Presidente do Conselho de Administração dos SMA-Ambientabrantes alega que, ao detectar uma discrepância de valores na factura, poderá o consumidor, comunicar atempadamente a leitura correcta do consumo de água sob pena de perder qualquer direito alteração da facturação liquidada na data transacta! E se o freguês se encontrar ausente por meia dúzia de dias? 
E se o utente autorizar o débito automático na conta bancária? 
Consequentemente, essa comunicação da leitura do contador aos SMA-Ambientabrantes não se trata de uma obrigação do munícipe mas de um mero princípio, porque efectivamente nem se reporta "a causas não imputáveis aos SMA-Ambientabrantes"... vejam bem!
Na prática, o responsável pelos serviços quer incutir no consumidor a idéia da obrigatoriedade de se fazer substituir aos serviços do leitor-cobrador, sob pena de ser penalizado na taxação do quilolitro, caso não o faça!
Fantástica esta prepotência em que o consumidor é tratado como um ser lerdo, subjugado aos poderes autárquicos!
V.O. – Isto, quem cala, consente! Ah! Pois é!

10 comentários:

Aqui - Ali - Acolá disse...

Olá Caro Cidadão abt, boas:

AGUENTABRANTES?

Aguentem explorados de Abrantes que estão a berrar com tanta carga de impostos num serviço como este que nos é prestado em condições que deixam muito a desejar em vários casos.

Não me alongando muito falando disto apenas pergunto.

Até onde chegará esta roubalheira que nos estão a impor?

Quem cala consente mas, a questão maior de tudo isto é:

Quem tem isto nas mãos e que maioritáriamente dirige os destinos desta terra, é acima de tudo a arma destruidora apontada a todos os cidadãos que por cá estão a ser massacrados com cada vez mais do mesmo.

É um vale tudo com um objectivo comum, sugar, sugar até não ter fim, onde as contrapartidas que se vêem são quase nulas.

O Zé tem um grande cabedal para suportar tudo isto, mas até quando?

O tempo o dirá!..

Bom Domingo de Outono.

Tramagalense disse...

Boas Cidadão

Isto da engenheiria tarifária tem muito que se lhe diga e que o que sobressai desta forma de cobrança é o que se pode chamar um ROUBO.
Isto é um caso para que a DECO proceda a uma detalhada investigação e punir severamente essa coisa da Ambientabrantes e por seu turno a CMA.
O povo não pode andar a ser comido desta maneira. As dificuldades são muitas, as familias estão sobrecarregadas com taxas e tarifas municipais e impostos do governo.
Para ajudar ainda mais à festa as reclamações só podem ser feitas, antes de pagar a factura. E se por acaso eu fizer uma reclamação e me recusar a pagar as subsequentes facturas, o que acontece?
Bom, o que acontece é que os SMA cortam o abastecimento de àgua com todas as despesas acrescidas que isso pode acarretar. Isto num concelho que será por ventura, um dos que mais àgua possui no seu território.
Não há direito, isto é merecedor de uma apurada investigação. Que a denuncia seja feita à DECO.

D´Atalaia disse...

Olá amigo cidadão abt

Boa tarde

Interessante o assunto que coloca sobre o tarifário destas águas concelhias e que nos custa os olhinhos da nossa cara!...Isto até parece que as condutas das águas termais do Vimeiro ou outra q.q. que nos trazem o tão precioso líquido ás nossas casinhas em condições de serem usadas para tratamentos das nossas maleitas...Mas a maleita que nos faz reféns destas atrocidades, é ser-mos insencíveis,surdos e mudos, deixamos esta coisa andar ao belo prazer dos iluminados saltitões que óra agora estão nas camãras, depois passam para as administrações e daqui para as reformas XURUDAS e o ZÈ a levar CARRIPA no lombo por ter tantas maleitas.Tenho fé num retrocesso disto tudo...À precisamente 100 anos houve um, mas a efeméride parece exigir de nós a mesma atitude e nós não abrimos a PESTANA!!!

agradecido pelo despertar

Cumprimentos

D´Atalaia

O Cidadão abt disse...

Ena, Aqui-Ali-Acolá!

Só agora é que cá o Cidadão teve algum tempo disponível para analisar atentamente os comment's por aqui bitáitados. Enquanto para uns estas republicanas pontes significam folga e descanso, para outros significam 60% de trabalho para alimentar a máquina fiscalista do Estado Português! Temos que ter dó dos tadinhos dos gestores das entidades reguladoras e outros quejandos com reformas sobrepostas a outros tantos tachos?!

Se não fosse o pessoal trabalhador, como se governariam esses tipos?

Ora veja bem, que não nos bonda termos as taxas e tarifas de águas e resíduos mais elevadas do país e ainda nos vão rebuscar uns euritos ao fundilhos das algibeiras para acerto das estimativas, havendo outras soluções mais razoáveis, perante tanta tecnologia informática que até prevêm a tele-gestão de caudais e de cloros!

Obrigado pelos seus bitáites!

O Cidadão abt disse...

Olá Tramagalense

Julgaria vossa mercê que este praça se teria perdido com alguma moura encantada com que se cruzasse nas caminhadas por essas ribeiras em busca de moinhos d'água, azenhas e moinholas...

Bom... não quer dizer que nessas andanças não prive com tão lindas e fascinantes moçoilas, mas cá a Companheira está sempre atenta...

Adiante!

A equipe que colabora com este praça, nestas situações não é pró-activa... é pró-reactiva!

Se bem reparar, a legislação referida no primeiro parágrafo da comunicação do responsável pelos SMA-Ambientabrantes é precisamente a resposta obrigatória por lei a uma das reclamações feitas atempadamente junto desses serviços, significando que cá o pessoal da pesada não brinca em serviço. Aquele livro é constituído por três folhas, uma das quais será dirigida à ERSAR– Entidade Reguladora do Serviço de Águas e Resíduos!

Se estiver atento à comunicação social, não lhe terá passada despercebida a Grande Reportagem com a colaboração da Quercus que posteriormente passou na SIC sobre a qualidade das águas.

Quanto ao não pagamento de uma das facturas porque não lhe chegou ao receptáculo do correio, por esquecimento ou porque os trocos não são suficientes para satisfazerem tantos impostos, aí, isso sim, os SMA são implacáveis e sem contemplações!
Como agravante, somos contemplados com um dos serviços municipais mais caros do país!
Assim fazemos jus ao sinal + tão apregoado na campanha eleitoral de que há memória!

Numa estimativa superficial, na região de Lisboa os serviços municipalizados de águas e resíduos custam cerca de menos sete euros em relação aos equivalentes deste concelho de Abrantes, ironicamente banhado pela albufeira do Castelo do Bode que é a reserva de água da grande Lisboa e limítrofes!

Uma coisa é certa! Para além de não nos devermos silenciar, temos a obrigação, isso sim, de alertar!

O Cidadão abt disse...

Olá, D’Atalaia.

Perante estas situações, desejarmos boas tardes a outrem, torna-se numa tarefa difícil de ser cumprida!

Escreve a hipótese de regressarmos 100 anos atrás... outros haveriam que substituíssem os actuais pois esses que tais são transversais às gerações e permeáveis aos regimes!

Somos insensíveis a esta maleita porque na maioria das situações o lesado apercebe-se que a conta no mês de Setembro lhe pode ser inflacionada mas, ao lhe ser explicado que se deve à estimativa do mês anterior, descansam e nem se apercebem do esquema marado das tarifas por escalão.

A muitos desses munícipes, sendo-lhes explicado o esquema, acabam por não acompanhar o raciocínio ou alcançando-o, acomodam-se, porquanto os valores em causa se lhes deparam bastante inferiores às despesas que teriam de acarretar ao deslocarem aos respectivos serviços, que agora estão bastante mais centralizados na descentralização da cidade... são horas que se perdem e transportes que se pagam com despesas bastante superiores aos valores a resgatar!

Há a agravante das limitações literárias de outros que necessitariam de recorrer a alguém com capacidade de argumentação e redacção.

Assim sendo, cabe a nós, manifestarmos o direito à indignação protestando através dos meios que se nos deparem mais acessíveis como a capacidade difusora da Web!

Muito obrigado pela sua deixa nesta caixinha dos pirolitos!

Joaquim disse...

Abrantes, uma terra boa para trabalhar, viver e investir...

O Cidadão abt disse...

Olá Joaquim!

Ah, pois é!
Pelo menos para alguns!

Desculpe... essa do "trabalhar"... é pirosa!...

Aqui - Ali - Acolá disse...

Joaquim disse...

Abrantes, uma terra boa para trabalhar, viver e investir...

6 de Outubro de 2010 09:18

-----------------------------------

Hãnn!.. Diga!..

Mas pergunta-se:

Terra boa para trabalhar onde e para quem?

Para viver idem idem, aspas aspas?

Investir em quê e para quê?

O Só Riso é aqui:

http://sorisomail.com/

E como a vontade de rir nesta terra é tanta, maior parte dos dias passa-se a lamentar toda esta tristeza que por cá existe.

Por cá não se vive - sobrevive-se, e com aquilo que nos dão a comer herdado de um passado recente, (Mais do Mesmo é um castigo mais penoso no dia a dia para quem faz das tripas coração).

Quando se fala em investir, é uma loucura, vê-se quais os investimentos que por cá grassam que bradam aos céus onde as estrelas brilham aos nossos olhos tão lindas e tão pomposas.

Mas para alguns isto é um paraíso, sim, UM PARAÍSO, porque tal como diz o velho ditado:

Com as calças do meu pai eu sou um homem.

Outros estão a berrar com tanta roubalheira que por cá grassa e o abandono quase total em terras pertencentes a este concelho, onde quem as visita e vê o que por lá se passa fica pasmado com o que se depara perante os seus olhos.

Aquilo que não vê não se sente, mas como muito do que se vê é sentido na pele daqueles que são os espoliados de sempre, deixa no ar e no íntimo desses o grito de revolta perante situações a que nunca se imaginava chegar.

A imaginação fértil dos Comandos cá do Burgo não pára, estando os descomandados a levar com o fertilizante em cima dia após dia para que a telha esteja sempre desimpedida onde o vil metal possa estar a correr sempre para o mesmo pote.

Acrescentando a tudo isto, vem o mais gravoso que é actualmente a insegurança que se vive dia a dia onde quase já não se pode sair de casa à noite e nada se faz para que se tranquilize os corações de quem sente esta aflição.

É isto uma terra boa para:

Trabalhar, viver e investir?.

Basta de gozar com o Zé!..

Joaquim disse...

Caro comentador Aqui Ali Acolá:

Decerto que esta minha observação sobre a qualidade de vida em Abrantes, que para ser conseguir alguma, ou nos sai bastante cara ou deixa-nos muito a desejar, salvo para os administradores de qualquer coisa institucionalizada e ex-autarcas que a têm garantida a rodos, como ia dizendo, esta minha observação foi no sentido irónico.
Estou completamente em sintonia com a sua opinião!

Saudações!