.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os seus objectivos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, adormecidas... ou anestesiadas por fórmulas e conceitos preconcebidos. Embora parte dos seus artigos possam "condimenta-se" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade com libertinagem de expressão" no principio de que "a nossa liberdade termina onde começa a dos outros".(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico e por vezes corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausadamente, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas análises, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell).Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de blogues a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, o que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão com alguma delas... mas somente o enriquecimento com a sua abertura e análise às diferenciadas ideias e opiniões, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais e válidos para todos nós, dando especial atenção aos "nossos" blogues autóctones. Uma acutilância daqui, uma ironia dali e uma dica do além... Ligue o som e passe por bons e espirituosos momentos...

domingo, 28 de junho de 2009

INFLUENZA DOISMILIDUZENTUS





INFLUENZA

DOISMILIDUZENTUS

De acordo como as directivas comunitárias, em ambiente urbano terá que ser considerada a mobilidade do trânsito pedonal.

Os utentes das urbes serão de diferentes estaturas e estruturas, desde as crianças aos idosos, não esquecendo os invisuais, os rodinhas, os obesos e os atléticos!


Tubucci foi sem margem para dúvidas, uma magnífica urbe concebida e desenvolvida para os…

atléticos!




Se por exemplo, um rodinhas pretender transpôr a rodovia alcançando o passeio da outra margem, é contemplado por um entalhe no lancil, evitando engrenar uma primeira baixa, executar o bloqueio ao diferencial e tracção ás quatro, o que retardaria a fuga ás infernais máquinas vencedoras de batalhas, vai daí aquela rampa acompanhando o suave declive da escadaria, com o respectivo entalhe no lancil.


O problema para os rodinhas e os invisuais coloca-se… precisamente quando rolam p’los passeios, reparem bem!


Os idosos também encontram uma panóplia de floreiras e canteiros, postes e troncos de árvores, painéis publicitários e outras urbanísticas tretas, que estes se vêm desgraçados para progredirem livremente em demanda dos seus destinos!


Portanto, para que os tais rodinhas se movimentem, necessitarão seguramente de um MAPA no terreno.


MAPA – Máquina Adaptada aos Passeios de Abrantes

””””

~ ~

O O

!

www

O quê? Passar por’li?

Eu é que não sou parvo!


Por Tubucci regista-se outro fenómeno pedonal que é o “Influenza Doismiliduzentus”.


Influenza”, pois influi nos artelhos do pessoal mais distraído! Com o “Influenza Doismiliduzentus” facilmente se alcança uma rotura de ligamentos no peito d’um pé, quiçá um tornozelo mal rachado!


È mais seguro progredir em terreno irregular, saltando de rocha em rocha, do que propriamente nestes passeios traiçoeiros em que o confiante incauto poderá malhar numa imprevista declinação arquitectónica.


Este vírus surge de fronte ás garagens de alguns cidadãos… (in)felizmente, não de todos!


Portantos, nasce mais um pensamento:


“Com o Influenza Doismiliduzentus,

se alcança a rotura dos ligamentus”…


O que acham… ficou bom assim?



Fixe!








…E não foi necessário consultar o Confúcio, carais!


São desníveis de mui nível, em forma de rampa ou cova transversal a quem caminha, no sentido de facilitar o acesso das máquinas infernais á profundeza das garagens!


Traçando os azimutes, facilmente se descortina alguma Influenza destes cidadãos auto-mobilizados em relação á imo-bilizada autarquia!


Ou há-de ser o engenheiro fulanodetal, ou o shoudótor entredentes, o shou eteceterital, o tiodovizinhodoprimodoutro, ou o cunhadodávódoneto que por sua vez ainda é amigodosobrinhodochefe, ou do báixamarpraiamar, práiamarbáixamar báixamarpaiaoutro…


…jápitágorasdesiracusadissundiaseusnetosqueoquadradodahipotenusaeraigualásomadoquadradosdoscatetos e assim por aí adiante!


Portanto, estes cidadãos têm um acesso diferenciado ás suas casas tipo maison, com janelas tipo fenêtre!


“Ufff!


Há vírus que se transmitem por espirro, outros por fricção entre mucosas ou por bosta de pássaro… por picadela de mosquito, pela ingestão de galinha, porco e vaca marados… ou ficarmos com as ventas fecundadas pela polinização dos gramídeos!





AaaaahThciiimmmm

Isto também foi da molha que cá o Cidadão apanhou a sacar estas fotos urbanas e encharcadas… E lá fora está a cair uma trovoada do caraças!


No caso do Influenza Doismiliduzentus”, será um vírus que se propaga por afinidade, sendo os pedastras que passam tão afectados com danos co-laterais, c’até s’amolam!


Ora bem, os utentes de Tubucci têm direito a circularem em passeio liso e aderente… sem côvo ou saliência!


Também têm o direito a passeio suficientemente praticável e contínuo com uma largura mínima de dois metros e vinte e cinco centímetros, e vãos de um metro e vinte centímetros no mínimo entre troncos, postes, cabines, floreias e outros apetrechos urbanos, a modos que os rodinhas e papás com baby-cars possam neles circular á vontadex!


Para evitar as cabeçadas dos mais aéreos, a base dos painéis publicitários e restante panóplia sinalética nunca deverá estar a uma altura inferior a dois metros em relação ao solo!


Os mobiliários urbanos deverão possuir características de modo a serem atempadamente identificados pelos invisuais ao nível do chão, blá, blá, blá, blá!

Qual a importância dada ás áreas de estacionamento automóvel e mobilidade pedonal perante as…

megalóbras?


maquete da CMA

A actual edilidade Tubucciana não teve tempo de corrigir tais deformações devido a outras estradas, e será uma bôa deixa para que os sucedâneos prestem provas de curtirem mêmo bué os seus caminhantes cidadãos!



?!

!:«

E esta hem?

Soltou-se d’aqui uma tecla!


Olh ! Olh ! Agor s em od s ei o como num dominó!

D sse! Ch ice, h que p r r de escrever!

V l … Foi só o a e o t.

14 comentários:

Viagens no meu Planeta disse...

Boas Cidadao

Sou obrigado a concordar com as suas observacoes arquitectonicas. Nao vou falar em relacao ao CAIXOTAO Iberico, mas sobre os passeios.
Por onde tenho passado, terras avancadas e amigas dos defecientes e idosos, os passeios sao feitos de modo a tornar a vida destes mais facil.
Em Portugal, os tecnicos, que por vezes ate' teem a mania que sao intelectuais, estao-se nas tintas para as pessoas que teem dificuldades. Os exemplos que aqui mostrou sao elucidativos desse desdem e no Tramagal, gastaram uns tantos milhares a requalificar os passeios, comentendo varios erros de palmatoria.
Isto ja' para nao falar do passeio de Tramagal ao Crucifixo, feito sem ciclovia, quando havia espaco para isso e terminando no cruzamento do cemiterio. Isto quer dizer que os idosos e as criancas do Crucifixo que se deslocam para o Tramagal para vir ao medico ou 'a escola teem de fazer metade do percurso, num passeio inexistente e sem as minimas condicoes, isto numa estrada com elevado volume de trafico.
Mas pronto, o povo e' sereno e de brandos costumes e assim a CMA, gasta os recursos do municipio onde bem entende, sem qualquer problema.

saudacoes Tramagalenses

Artur :) disse...

Do açude para as portas, das portas para o museu, num sem fim de despesismos. É impressionante o estoirar dos dinheiros públicos nas obras de pura fachada em detrimento das necessidades básicas do concelho, com a agravante da indiferença dos responsáveis perante a clara contestação da opinião pública.
Vão-se satisfazendo os caprichos dos senhores e o povo que se lixe!
Pelo que se revela,propõe-se um mamarracho que irá alterar todo o perfil histórico da cidade de Abrantes. E as maiorias que para estas coisas parecem estar em minoria, continuam a gramar com as acessibilidades urbanísticas completamente desfazadas daquilo para que foram concebidas.
Mais uma vez,gostei da construção do texto da criatividade e das suas bem dispostas ironias.
continue!

Anónimo disse...

Olá para o Cidadão e também para o Tramagalense.

Se fosse só a estrada do Crucifixo... atente-se á nacional 3 em Rio de Moinhos,á rua dos Lírios de Vale de rãs, á rua da Indústria no Tapadão, á Avelar Machado do Rossio, ou á avenida da Portagem nas Barreiras do Tejo.Artérias com imenso tráfego, quer de pessoas e de viaturas. Onde estão as zonas pedonais? Ficaram no projecto, ou nem isso. Por ironia do destino, na última as obras do Aquapólis terminaram irónicamente junto a uma das mais movimentadas artérias do concelho em que as pessoas, essencialmente crianças e jovens a caminho das escolas, em situação de risco constante têm de se encostar ás paredes para que os camiões circulem. Haja mais respeito pelas pessoas. As vias pedonais ficaram nos caminhos do São Lourenço. Valoriza-se o lazer e desvaloriza-se quem reside e quem trabalha no concelho.
Importa-se um Berardo de Espanha e coloca-se um caixote no alto da cidade a fazer concorrência á torre de telecomunicações e é sempre a aviar de milhões de euros. Porque não o Marquês de Pombal? A rotunda teria alguma utilidade em substituição dos abortos ao trânsito rodoviário. E esta gente siderada ainda há-de voltar a votar na política da continuidade com tanto medo que têm da mudança... a ver vamos.

Um prof.

Cidadão abt disse...

Ó caro Luís Horta Ferreira!
Duas preocupações se concentram nas mentes dos técnicos, arquitectos e engenheiros de algumas autarquias:
O dia 22 e a manutenção do emprego porque a ética termina com o tacho ou o tacho termina com a ética... sabe-se lá, mas para o efeito tanto faz! No dia da criança, foi ver os putos do infantário do Crucifixo à torreira do Sol, a caminho dos eventos do Tramagal, com o regresso ao berço por esse meio dia. Não será o facto de caminharem pois isso até lhes fará bem, embora bem também ficasse ás edilidades em quem as populações depositam a sua confiança, tratarem de fornecer os transportes, pois naquele troço de estrada desde o entroncamento enviesado da 118 até ao Crucifixo era ver as educadoras e auxiliares(por sinal muito giras, note-se) a colocarem-se do lado da estrada para protegerem as suas crianças porque ali não há passeios, nem muito menos, bermas! Depois isso das ciclovias é coisa para autarquias desenvolvidas, não será? Senão repare:
Do Crucifixo ao Tramagal, uma, de Alferrarede até ao Rossio, outra, do Pego até ao Entroncamento... esta já seria uma utopia para as autarquias cá do burgo...Eh! Eh!A mais viável será aquela do Quartel de Cavalaria até ao São Lourenço. O que por essas paragens(Escócia, Suécia e outros países nórdicos) é uma realidade, por estes sítios não passa de ficção. Aliás não será por acaso que vivemos numa sociedade em que o automóvel constitui estatuto e afirmação pessoal.
Desculpe Tramagalense, só um pequeno reparo... cuidado que
"tráfico" é coisa feia e ilícita... o amigo quer referir-se ao "tráfego!"... Em Espanha sim, a circulação de veículos pessoas e animais designa-se por "el tráfico"!
Até outra ocasião.

Cidadão abt disse...

Caro Artur,

Cá no Cidadão abt só reside uma pequenina dúvida...
Suponha o amigo, que um Construtor Civil metia um projecto à Câmara, propondo erguer um paralelepípedo todo branco e com trinta metros de altura, numa das encostas da Cidade de Abrantes... ou sejamos mais ambiciosos... dentro do estacionamento Convento de São Domingos... está a perceber?
Qual seria a reacção e o parecer da Câmara?
E do IPPAR?
Com toda a certeza que seria aprovado!?
Eh! Eh! Eh!
Muito é frente... não acha?

Cidadão abt disse...

Ora, atento Prof,

Você, com tais escritos andou a plagiar o pensamento cá do rapaz!
Pois é! Ficava a idéia de que o Cidadão seria bairrista ou outra treta do género, mas olhe que não!
Só que, já assim o "post" deu um trabalhão do caraças a construir,para além de uma molha monumental, imagine andar por todas as povoações em busca das situações mais do que evidentes! Agora lá que este trabalhinho deu o mote, lá isso deu, e daqui para diante, compete a vocês darem continuidade ao assunto, o que está a acontecer no momento!

Ah!
As rotundas... outra porca miséria... se esticarmos a fita... em vez de contribuírem para a segurança e fluidez do trânsito, servem mais para o afunilamento e o despoletar de conflitos entre condutores devido ao traçado espectacular! Algumas até serão mais quadradas que redondas, outras um bocadito deslocadas do epicentro do tráfego e umas quantas com visibilidade duvidosa!
Safa-se a da Escola Prática de Cavalaria...

Mudança?

A inércia é superior à dinâmica da mudança... e depois dá nisto.

Grato pelas suas letrinhas.

Viagens no meu Planeta disse...

Boas Cidadao

Pois e' verdade, cometi alguns erros ortograficos, sabe, 'as vezes escrevo em portugues, mas como estou tao habituado a falar em ingles nem reparo no que estou a escrever, e' que, trafego em ingles escreve-se "traffic". E' apenas uma descuido que ninguem levara' a mal. Penso eu.

Ha' um aspecto curioso que os britanicos levantam acerca de nos portugueses e que a eles lhes faz alguma confusao, que e': porque e' que nos nunca acabamos a obras - o exemplo esta' no passeio do Crucifixo. Mas em relacao a esta aldeia existe mais um caso, o saneamento basico do Crucifixo nao esta ligado ao do Tramagal. Se considerarmos que a distancia entre as primeiras casas da aldeia e a Terra Nova serao uns escassos 500 m, nao se compreende a nao conexao a rede de saneamento da Vila e o consequente tratamento na respectiva ETAR.
Parece que existe um tanque de decantacao, nao sei onde, mas existe. Para onde correm os efluentes nao sei, talvez para a ribeira do Alcolobre, nao faco a minima ideia. Tal como os Carochos este e' o empenhamento da CMA no tal programa "Cuidar do Tejo", ao abrigo do qual foi construido o Aquapolis. Enfim.

Caro Prof.

Sao tantos os exemplos, que poderiamos estar aqui uma noite inteira a fazer uma lista. E' triste, na verdade, que o Parque de Sao Lourenco, tenha aqules passseios todos, que as ervas acabarao por deteriorar e as arterias com tanto trafego em diversos pontos do concelho, incluindo dentro do proprio perimetro urbano da cidade nao sejam sequer consideradas como obras a concretizar, e' que ao fim de 15 anos de aposta na cidade media, isto e' de lamentar. Uma cidade media, nunca o sera', se a seguranca e a qualidade de vida dos seus moradores nao for tomada em consideracao. Ao que parece essas nao sao prioridades, prioridade foi a Cidade Imaginaria, qual FAROL do Mar de Abrantes.
Termino com uma questao, os milhares de Euros gastos no FAROL, nao seriam suficientes para a construcao de passeios, essenciais 'a seguranca dos eleitores socialistas?

Saudacoes Tramagalenses

Luis Horta Ferreira

Aqui - Ali - Acolá disse...

Olá Caro Cidadão abt.

Pode-se chamar a isto (a Aldeia quadrada a quem chamam City)!..

Mas na boa visão (hã) dos papões que já estão a fazer a mala de viajem para outras andanças, isto é um paraíso.

Chega a arrepiar certas deambulações que tem que se fazer para vaguear por esta Aldeia, mas que raio porque carga de água se há-de chamar City a isto?..

Abre ou fecha?

Abre antes!.

Assim ficou este lindo nome a esta terra que está a ficar num vazio de meter medo.

Mas ao mesmo tempo cheia de altos e baixos, quadradices, esquinoides, um mar barrado por um betão armado, rotundas ás 3 pancadas, (que agora já tem uns calhaus à volta e umas plantas de enfeite tipo horta de couve ratinha), passeios do tropeça aqui, cai ali, malha acolá, tipo plágio deste blog.

O topo será o culminar de um barrote quadrado de 30 metros para talvez ficar no esquecimento porque a raiz da vida desta Aldeia não tem estofo para tal.

Impressionante é ver tudo isto aos nossos olhos onde a tristeza invade esta terra que é um convite à desertificação do que poderia ser um postal ilustrado, e o que se vê sair da boca de certos mamistas é que dão apoio a coisas inertes deixando de parte o essencial para esta Aldeia.

A saga é contínua e, a luta dos mamarrachos em promessas de fachadas e blá blá blá é constante.

Abundam por aí muitos padres pregando missas de calvário e promessas de engate.

Gente infiltrada num faz de conta só para olharem para os seus umbigos, falsos profetas anunciando um mar de rosas para a Aldeia florida.

Ilusão de quem vai atrás das flores porque, florida já foi, agora resta ver por muitos poros e ervas daninhas que abundam cá pela Aldeia City.

E o triste fado continua..

Paga e não bufes, porque os tachos estão à espera de se encherem.

Os novos, porque outros já estão bem cheios e bem gordos.

Bons pedantes por estas bandas..

Cidadão abt disse...

Amigo "Aqui-Ali-Acolá",

A Aldeia quadrada remete cá o Cidadão para o prémio Nobel de Geometria Descritiva dos finais dos Seventies, em que meteram bestas quadradas em mesas redondas!

Dá a impressão mesmo, mesmo, que o prémio desta vez recairá na arquitectura urbanística Abrantina!

"O môrro é redondo, a cerca idem e a besta é quadrada"

???Oh pá, saiu daqui mais um pensamento arquitectófilosófico com toda a espontaneidade... ou será que já tem reservados os direitos de autor?

Resta-nos a esperança de melhores dias com a vinda de outros gestores camarários!Isto faz lembrar quando o serviço militar obrigatório era de dois anos e o pessoal aguardava ambiciosamente pela peluda e pelo espólio!

Aqui - Ali - Acolá disse...

Caro Cidadão abt.

Diz vc que a besta é quadrada?

Isso no singular acho que está mal analisado, (não serão bestas quadradas)?..

O môrro já todos nós conhecemos, e o prémio também, pois já se diz por aí que será um balde (ops).

Essa de bestas quadradas em mesas redondas não entra cá na minha tola senão veja.

Eu digo isto porque do que já vi ao vivo foi, (bestas bicudas e senis em mesas luxuosas e rectangulares à pala de grande e Francesa), mas depois de ver aquilo pus-me a pensar:

Mas seria gente ou um animal que eu vi naquela mesa?

Hum... Mais tarde ao passar junto à besta é que vi pelo seu andar e conciliando com o bicudo das suas ideias que defacto era um burro chapado pavoneando o ambiente com o seu andar de marroco e estilo emproado tipo barrote com pernas.

-----------------------------------

Resta-nos a esperança de melhores dias com a vinda de outros gestores camarários!Isto faz lembrar quando o serviço militar obrigatório era de dois anos e o pessoal aguardava ambiciosamente pela peluda e pelo espólio!

-----------------------------------

Hã!.. que é que V.ª Ex.ª disse?

Não se ouve cá nada, repita por favor, eh..eh..eh.. essa é boa!..

Ó home obrigatório e com selo na venta levei eu com quase 5 anos e de lá trouxe o carimbo de uma triste memória que nunca mais sai de cá da tola.

Um prémio de consolação que se dava naquele tempo aos Mosqueteiros obrigatórios, (todos por um e um por ninguém).

Assinado assim:

E não digas que vais daqui ok?

A esperança de dias melhores com a vinda de outros gestores camarários mas onde e quando?

V.ª Ex.ª é cá um sonhador!..

Cuidado se alguém ouve isso batem-lhe logo aí à porta a perguntar..

Tá lá, foi daqui que chamaram o exército de salvação nacional?

O tempo está bom para pedantes, força nisso - Xau inté breve que eu já volto.

Cidadão abt disse...

Olá, Aqui-Ali-Acolá!

Cá o Cidadão estava a raciocinar num contexto arquitectónico!
"A besta" é aquele cubo branco que se propõem espetar nos cucurutos de São Domingos!
Também a Kia Motors, produziu um maquinão com a mesma designação, como aquele do Barack Obama, para se poder proteger, embora o próprio não concorde lá muito com a idéia!
E o cubo mágico no alto do castelo também invocará "The Beast"!!!
Algo de monumental, portantos!
Assim pró robusto, assim hermético e fechado ao exterior, sem portas, janelas nem passagens porque essas se quedaram junto ao Tejo!
Um silo onde sobre as suas vertentes se pendurarão e projectarão as idéias que vão pairando no espaço Abrantino!
Uma caixa forte que albergará três grandes e importantes colecções que até agora têm dormido ao relento! Naquele bunker, ficarão albergados interesses desde a pré história até ao século XX, menos as necessidades do século XXI, nas isso não é prioritário!

Ah! o amigo estava a supor outras cenas maradas?
Nos humanos?
Mas esses são umas jóias de pessoas que muito se têm esforçado para deixar um legado de melhorias e benefícios aos seus dedicados e contribuintes munícipes!

Então quer lá ver?

A população até anda satisfeitíssima com tanta atenção dada ao encontro da resolução das suas necessidades básicas, vai para doze aninhos!
Ah!
Já anda um casal de cegonhas a sobrevoar a "Coisa" em zarcão do Àquapólis, nas Barreiras do Tejo!
Aquilo é mêmo fixe! Fica-se a olhar para o ar a vê-las pairar!

E o peixe até já se pode apanhar à mão, sem a necessidade de redes, anzóis ou iscos! Ali todo escarrapatchado e prostradinho!
È a evolução!
Quem perde com o negócio são os senhores das lojas de apetrechos de pesca mas isso é um sómenos!

Ah! Cá o Cidadão ia-se esquecendo desta! Parece que entretanto uns pescadores foram por ali multados por pesca ilícita!
Coitados então não saberiam distinguir, seleccionar e preservar as espécies?

Mas é a vida, senhor, é a vida no seu melhor!

Há que render homenagem!

Vá lá! Não seja ingrato!

Viagens no meu Planeta disse...

Boas Cidadão

Permita-me que faça uma rectificação.
O CAIXOTÂO, não é para albergar as as obras de Maria L. Moita e de Charters de Almeida. Essas ficarão e muito bem, no espectacular Convento de São Domingos.

O CAIXOTÂO, vai receber a colecção de arqueologia no seu todo, mas de um modo geral vai ser o local onde vão funcionar os serviços administrativos do museu, um auditório, salas de investigação, salas de armazenagem, etc.
Isto torna a enormidade de gastos deste projecto ainda maior, se tivermos em conta que sem entrada de luz e ventilação naturais, teremos um constante uso de energia electrica para ilunminaçao e funcionamento de ar condicionado em regime permanente. Os custos de manutenção de um edificio destes poderão tornar-se INCOMPORTAVEIS, se as exageradas previsoes de visitantes falharem.
A juntar a isto, se tivermos também em conta que hoje em dia se fazem edificios o mais eficientes possivel, no que respeita à utilizaçao de energia, constataremos que tanto o arquitecto como a CMA, estão preocupados com tudo, menos com a eficiência ecologica deste edifiçio.

Bom por aqui me fico, apenas uma nota final, O TRAMAGALENSE, vai começar a funcionar este fim de semana e se o Cidadão quiser dar uma olhadela, já sabe que será sempre bem vindo.

Saudações Tramagalenses

Cidadão abt disse...

Alô para Luis Horta Ferreia!

Pois, a noção com que ficou cá o Cidadão ao ouvir uma entrevista de um especialista na matéria via Antena Livre, foi que o "CAIXOTÃO" serviria para albergar as três colecções!
E a gente vá lá entender estes sujeitos!

Mas se assim o afirma... pró efeito... Comme Ci, Comme Ça!
Além de mostrengo ainda será "um burro a pão de ló"... se calhar, mais "um elefante branco"! Só bicheza da graúda, portanto!

"Se as previsões das visitas falharem?"
Por Imhotep, filho de Ptah... e Ísis, mãe de Hórus!
Nem por sombras de Àpis!


Vai ver, Luís Horta que se a coisa se concretizar, iremos ter a Ibéria e a Europa à perna!
Serão as Quartas Invasões Bárbaras! Já reparou o que aconteceu com o Aquapólis? É uma romaria de turistas que até atrapalham quem quer trabalhar!
Há dias cá o rapaz teve que recorrer aos bons pulmões: -"Xó...Xó...Arreda!Deixem passar, please!Pleeeease!

Afinal o seu "TRAMAGALENSE" vai rescussitar?
Já andava pr'áqui a encomendar a missa do sétimo dia ao Padre Cura!""!

Prontos, só há que voltar a linkar o bendito!

Tramagalense disse...

Boas Cidadão

Pois parece que tem razão, as obras vão ficar no CAIXOTÂO. Eu que percebi mal o explicação do projecto no site da CMA. Pelo facto peço as minhas desculpas.

O Tramagalense jà està operacional e o assunto é o CAIXOTÂO. Faça uma visita se tiver disponibilidade, sabe que a é sempre bem vindo.

Saudaçoes Tramagalenses